Comissão Europeia aponta cartel entre BMW, Daimler e Volkswagem em relatório preliminar


Montadoras teriam estabelecido acordo para evitar concorrência no desenvolvimento para reduzir emissões de gases poluentes. Investigação começou em 2018. Montadoras alemãs são acusadas de combinar preços e tecnologias
Reuters
As montadoras alemãs BMW, Daimler, dona da Mercedes-Benz, e Volkswagen estabeleceram acordos para evitar a concorrência no desenvolvimento de tecnologia para reduzir as emissões de gases poluentes, informou nesta sexta-feira (5) a Comissão Europeia, que citou um relatório “preliminar”.
“Tememos que isso tenha acontecido neste caso e que Daimler, VW e BMW tenham violado as normas de concorrência na UE”, afirmou em um comunicado a comissária europeia Margrethe Vestager, antes de destacar que as empresas “têm agora a oportunidade de responder” a Bruxelas.
As conclusões iniciais da investigação aberta em setembro de 2018 apontam que as três montadoras participaram em um “sistema de conluio” para “limitar o desenvolvimento e a implantação de tecnologias de redução de emissões para os veículos novos a diesel e gasolina”, afirma a Comissão no comunicado.
As práticas, que aconteceram entre 2006 e 2014, foram estabelecidas durante reuniões técnica dos fabricantes denominados “Círculo dos Cinco” e privaram os consumidores de comprar veículos menos poluente, indica o Executivo comunitário.
Os sistemas que teriam sido afetados seriam os de redução catalítica seletiva (SCR) para motores a diesel e os filtros de partículas Otto (OPF) para carros a gasolina, afirma Bruxelas, que fez uma série de inspeções em 2017.
A investigação começou três anos depois das revelações nos Estados Unidos de que a Volkswagen instalara um dispositivo em milhões de veículos a diesel em todo o mundo para burlar os testes de emissões de gases poluentes.
Se a informação sobre o cartel for confirmada, o preço a pagar será alto. Em julho de 2016, o Executivo da UE multou em 2,93 bilhões de euros quatro fabricantes europeias de caminhões, acusadas de acordos sobre os preços de venda por 14 anos.