Combustível de navio encalhado volta a vazar nas Ilhas Maurício


Vazamento de óleo preocupa por possíveis danos à biodiversidade do arquipélago. Óleo que vazou de navio nas Ilhas Maurício, em foto de 12 de agosto
Beekash Roopun/L’Express Maurice/AFP
O combustível do navio encalhado nas Ilhas Maurício voltou a vazar nesta sexta-feira (14), disseram autoridades locais, dois dias depois de anunciarem que conseguiram esvaziar os tanques.
“Segundo especialistas, esse tipo de vazamento é previsível e se deve à deformação do navio”, disse o comitê de crise da ilha em nota, que já havia confirmado o vazamento de cerca de 100 toneladas de combustível.
“Desde esta manhã, a água ficou preta novamente em torno do Washio”, disse Alain François, um pescador local, à AFP.
O “MV Wakashio”, propriedade de uma empresa japonesa, encalhou no dia 25 de julho em um recife em Pointe d’Esny, a sudeste da Maurício, com 3.800 toneladas de combustível e 200 toneladas de diesel a bordo.
O combustível começou a vazar por rachaduras nos flancos danificados na semana passada e entre 800 e 1 mil toneladas foram despejadas no oceano, em uma área considerada uma joia ecológica por suas águas turquesa e pântanos protegidos.
As equipes de intervenção extraíram o combustível contido no navio encalhado numa corrida contra o tempo e na quarta-feira à noite as autoridades da ilha anunciaram que conseguiram extrair todo o material dos tanques.
Mas faltaram cerca de 100 toneladas, principalmente na adega, e foi esse combustível que começou a vazar nesta sexta-feira.
“As autoridades explicaram que as ondas que entram no navio fazem subir o combustível do porão”, disse Alain François.
O derramamento desencadeou uma impressionante onda de solidariedade entre os 1,3 milhão de habitantes deste arquipélago paradisíaco do Oceano Índico.
Milhares de pessoas estiveram no local por vários dias para retirar o combustível e tentar conter sua propagação.