Com total de 12 peixes invasores venenosos capturados, Noronha recebe especialista que atua no Caribe para ajudar no combate


Peixe-leão é considerado uma ameaça ao meio ambiente. Biólogo brasileiro Paulo Bertuol, morador de Bonaire, onde animal causou problemas, vai realizar treinamentos esta semana. Peixe-leão é considerado uma ameaça ao meio ambiente
Thiege Rodrigues/All Angle/Divulgação
O Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio) contabilizou 12 peixes-leão, espécie invasora e venenosa, já capturados em Fernando de Noronha desde dezembro de 2020, sendo 11 deles neste ano. Para tentar barrar a proliferação do animal, chega nesta segunda-feira (11) à ilha o biólogo brasileiro Paulo Bertuol, morador de Bonaire, no Caribe, local onde o animal tem causado problemas.
Betuol vai trabalhar junto com as equipes de Noronha e compartilhar conhecimentos sobre estratégias de captura do peixe-leão. O treinamento começa nesta semana e inclui, entre outras ações, palestras para mergulhadores e moradores da ilha (veja detalhes da programação mais abaixo).
Entenda riscos oferecidos pelo peixe-leão
Infográfico detalha animal invasor venenoso
Segundo os pesquisadores, o peixe-leão oferece risco ao meio ambiente e pode causar desequilíbrio ecológico (veja vídeo abaixo). O animal pode consumir espécies endêmicas, que só ocorrem nessa região.
A primeira captura do animal em Noronha ocorreu em dezembro de 2020 e eles voltaram a ser vistos nos segundo semestre de 2021, com um recolhido em julho. Em agosto, foram três animais capturados e, no mês de setembro, foram sete, segundo balanço do ICMBio.
Por que um peixe invasor ameaça o ecossistema em Fernando de Noronha
O nome científico do peixe encontrado em Noronha é Pterois volitans. A espécie tem espinhos venenosos que contêm uma toxina que pode causar febre, vermelhidão e até convulsões aos seres humanos.
Bertuol é formado pela Universidade Federal de Santa Catarian (UFSC) e trabalha na organização responsável pela gestão dos parques nacionais em Bonaire, no Caribe, que são o Parque Nacional Marinho de Bonaire e o Parque Washington Slagbaai.
A equipe do parque marinho doou para Fernando de Noronha o equipamento que tem sido utilizado na captura dos peixes invasores na ilha.
A primeira palestra do especialista foi marcada para acontecer na quarta-feira (13), às 19h30, na área externa do Projeto Tamar, no bairro do Boldró. Esse encontro é voltada para mergulhadores.
Biólogo brasileiro Paulo Bertuol mora há anos em Bonaire, no Caribe
Reprodução/Instagram
Na sexta-feira (15), o biólogo conversa com os moradores que tiverem interesse em saber mais sobre a ameaça. O encontro é também às 19h30, na área externa Tamar, sem necessidade de inscrição prévia.
“Paulo Bertuol fica até domingo (17). Além das palestras, vão ser feitas capacitações para os profissionais de mergulho autônomo. O treinamento será executado nos barcos, com indicações práticas para captura do peixe-leão”, informou o coordenador de Pesquisa e Manejo do ICMBio, Ricardo Araújo.
Para Araújo, é preciso um trabalho em conjunto para controlar a invasão e impedir que o peixe-leão se estabeleça e desequilibre o ecossistema de Fernando de Noronha.
Os temas que vão ser abordados nos treinamentos serão os seguintes:
Estudo de caso sobre a invasão do peixe-leão no Caribe e os inúmeros impactos
Perceptivas da invasão do peixe-leão no Brasil
Métodos de controle e erradicação do peixe-leão.
Por conta dos riscos que o animal oferece, o ICMBio não indica que pessoas sem treinamento adequado façam a captura da espécie.
Mergulhadores da ilha que já receberam as primeiras orientações realizam capturas do peixe-leão
Sea Paradise/Divulgação
O peixe-leão pode viver a até 100 metros de profundidade e, por isso, os representantes do Instituto Chico Mendes consideram que a colaboração de mergulhadores autônomos na localização dos animais da espécie invasora é essencial.
Os peixes capturados em Noronha são encaminhados para o Recife, para análise dos estudiosos do Projeto Conservação Recifal (PCR).
Amostras dos peixes também são enviadas para a Universidade Federal Fluminense (UFF) e Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos para que também sejam realizadas análises nessas instituições.
Peixe-leão
Arte/G1
Vídeos mais vistos de PE nos últimos 7 dias
s