Com participação no Salão do Automóvel incerta, Mercedes-Benz confirma GLA e GLB com motores 1.3 e 2.0 turbo no Brasil


Marca de luxo acredita que eventos focados nos clientes são mais efetivos. Lançamentos chegarão no segundo semestre, inicialmente importados da Alemanha. Mercedes-Benz GLA
Divulgação
Durante o evento de lançamento do EQC, primeiro elétrico da Mercedes-Benz, a fabricante confirmou alguns detalhes de outras novidades para 2020.
Veja 60 lançamentos esperados para 2020
A nova geração do GLA, além de o inédito GLB, SUV com capacidade para 7 passageiros, chegam no segundo semestre.
Mercedes-Benz GLB
Divulgação/Mercedes-Benz
Ambos terão versões equipadas com motores turbo 1.3 de 163 cavalos e 2.0 de 224 cv. Além disso, o GLB ainda terá a versão esportiva 35 AMG, com um 2.0 de 310 cv. Esta, por sinal, será a primeira a desembarcar no país, no 3º trimestre.
Os dois serão importados da Alemanha. No entanto, o GLA deve ganhar produção nacional, em Iracemápolis (SP), em um segundo momento. A unidade do interior paulista já produz a primeira geração do modelo.
Salão ainda incerto
Uma das principais questões envolvendo a Mercedes-Benz é a participação (ou não) no Salão do Automóvel de 2020. A fabricante ainda não confirmou a presença no evento, que é o maior do tipo na América Latina, e acontece de 12 e 22 de novembro.
Até agora, nenhuma fabricante de luxo confirmou participação.
Salão do Automóvel tem custos de até R$ 20 milhões por marca
De acordo com Dirlei Dias, gerente-sênior de vendas, a decisão ainda não foi tomada. Isso porque a fabricante está negociando com a Reed Exhibitions, organizadora do evento.
Questionado se a participação em São Paulo é mais provável ou improvável, Dias afirmou que a tendência é que a marca não participe do evento. Mas ressaltou que a decisão será tomada até o final deste mês.
Segundo Dias, o formato atual do evento não é dos mais vantajosos, já que a empresa não consegue se comunicar de forma tão efetiva com seus clientes.
“Conseguimos fazer um evento voltado para clientes, concessionários e imprensa com um quinto do custo de um salão”, disse Dirlei Dias.
Ainda que a organização esteja apostando na edição de 2020 como uma voltada para os negócios, Dias acredita que esse não deve ser o principal fator de decisão para a ida da Mercedes.
“Temos mesas de negociação no estande desde 1998. Levamos concessionários para lá, e eles podem, em parceria com o banco, avaliar o carro do cliente e simular financiamento”, falou o gerente da Mercedes-Benz.
Mercedes-Benz afirma que eventos próprios são mais efetivos e baratos do que a participação em um salão
André Paixão/G1
Na última edição do Salão de Frankfurt, a Mercedes já mudou radicalmente o estilo de exibição. Na ocasião, a empresa apostou em tecnologia e mobilidade, em vez de apenas veículos. “O IAA [Salão de Frankfurt] passado foi uma tendência. Para mostrar produtos, temos as concessionárias”, concluiu.
Mas Dias também acredita que um evento com menos marcas – incluindo as de luxo – pode ser uma oportunidade para atrair mais olhares do público.