Com novas baterias, Tesla quer zerar diferença de preços entre carros elétricos e a combustão


Tecnologia que promete ser inovadora deve chegar primeiro ao Model 3 produzido na China. Tesla planeja introduzir novas baterias em veículos produzidos na China
Yilei Sun/Reuters
A Tesla planeja lançar uma nova bateria de longa duração e baixo custo em seu Model 3 na China até o início do próximo ano. Com isso, a empresa espera tornar o custo de veículos elétricos similar ao dos carros movidos a gasolina, além de permitir que as baterias tenham uma segunda e terceira vida na rede elétrica.
Por meses, o presidente-executivo da Tesla, Elon Musk, vem provocando investidores e rivais, com promessas de revelar avanços significativos na tecnologia de baterias durante um “Dia da Bateria” no final de maio.
Tesla retoma produção na Califórnia em meio a batalha legal com autoridades locais
As novas baterias de baixo custo foram projetadas para ter alcance de 1,6 milhão de quilômetros, e permitir que os veículos da Tesla sejam vendidos com lucro pelo mesmo preço ou menos do que um veículo a gasolina são parte do plano de Musk, disseram à Reuters pessoas familiarizadas com os planos.
Tesla comemora 1 milhão de carros elétricos produzidos
Reprodução/Twitter
Com uma frota global de mais de 1 milhão de veículos elétricos capazes de conectar e compartilhar energia com a rede, o objetivo da Tesla é alcançar o status de uma empresa de energia, competindo com fornecedores tradicionais de energia como a Pacific Gas & Electric e Tokyo Electric Power, disseram essas fontes.
A nova bateria, que está no centro da estratégia da Tesla, foi desenvolvida em conjunto com a Contemporary Amperex Technology e implementa a tecnologia desenvolvida pela Tesla em colaboração com uma equipe de especialistas acadêmicos em baterias recrutados por Musk, afirmaram três pessoas.
Eventualmente, versões melhoradas da bateria, com maior densidade de energia e capacidade de armazenamento e custos ainda mais baixos, serão introduzidas em veículos adicionais em outros mercados, incluindo a América do Norte, disseram as fontes.
O plano da Tesla de lançar a nova bateria primeiro na China e sua estratégia mais ampla de reposicionar a empresa não foram relatadas anteriormente. A Tesla se recusou a comentar.
Outras estratégias de produção
A Tesla também planeja implementar novos processos para uma produção automatizada e de alta velocidade, projetados para reduzir os custos de mão de obra e aumentar a produção em “terafactories” da empresa, cerca de 30 vezes o tamanho da “gigafactory” de Nevada – uma estratégia reportada no final de abril para analistas por Musk.
Fábrica da Tesla no deserto, em Nevada, nos Estados Unidos
BBC
A Tesla está trabalhando na reciclagem e recuperação de metais caros como níquel, cobalto e lítio, por meio de sua afiliada Redwood Materials, bem como em novas aplicações de “segunda vida” de baterias de veículos elétricos em sistemas de armazenamento em grade, como o que a Tesla construiu no sul Austrália em 2017.
A montadora também disse que quer fornecer eletricidade a consumidores e empresas, mas não forneceu detalhes.
Juntos, os avanços na tecnologia de baterias, a estratégia de expandir as maneiras pelas quais as baterias de veículos elétricos podem ser usadas e a automação da produção em grande escala, visam o mesmo objetivo: reformular a matemática financeira que até agora fazia um carro elétrico custar mais caro para a maioria dos consumidores do que ficar com veículos tradicionais de combustão interna.
A Tesla reportou lucro operacional por três trimestres consecutivos, quase dobrando o preço de suas ações este ano. Ainda assim, os ambiciosos planos de expansão de Musk dependem do aumento das margens de lucro e do volume de vendas.
“Precisamos realmente garantir uma curva muito acentuada na produção de baterias e continuar melhorando o custo por quilowatt-hora das baterias – isso é muito fundamental e extremamente difícil”, disse Musk aos investidores em janeiro.
“Temos que escalar a produção de baterias para níveis insanos, que as pessoas nem conseguem entender hoje.”