Colunista do ‘New York Times’ vende artigo em NFT por US$ 563 mil


‘Estou olhando para o meu monitor e rindo incontrolavelmente’, disse jornalista. Preço corresponde a R$ 3,1 milhões. Entenda como funciona o selo digital que atrai colecionadores. Coluna do ‘New York Times’ vendida em NFT
Reprodução
O colunista Kevin Roose, do jornal “New York Times”, vendeu nesta quinta-feira um de seus artigos em formato digital por US$ 563 mil (cerca de R$ 3,1 milhões), no mais recente episódio relativo aos NFTs, ativos digitais fortemente cobiçados por colecionadores.
NFT: como funciona o registro de coleções digitais que já valem milhões de dólares
O artigo era dedicado à própria iniciativa do colunista, que pretendia testar o mercado e ampliar o alcance das obras digitais vendidas sob a etiqueta NFT, ou “non-fungible token”, que permite associar um certificado de autenticidade a qualquer item virtual, seja uma imagem, fotografia, animação, vídeo, música ou artigo jornalístico.
Obra de arte digital é vendida por quase US$ 70 milhões; entenda o que é o NFT
O certificado é inviolável e não pode ser duplicado. Ele foi desenhado com a tecnologia “blockchain”, que serve de base para as criptomoedas.
“Por que um jornalista não pode participar da festa do NFT?”, questiona o entretítulo do artigo de Kevin Roose, intitulado “Compre esta coluna na Blockchain!”. Após 24 horas de leilão, um colecionador que responde pelo nome de Farzin e cujo usuário é @3FMusic levou o artigo por 350 criptomoedas Ethereum, que valem atualmente 563 mil dólares.
“Estou olhando para o meu monitor e rindo incontrolavelmente”, reagiu no Twitter o colunista, especializado em tecnologia, minutos após a venda. Ele informou que o valor arrecadado, descontados os 15% de comissão da plataforma onde ocorreu o leilão, será destinado às organizações beneficentes apoiadas pelo jornal.