CMN autoriza cooperativas de crédito a ofertarem poupança a clientes

Recursos captados por cooperativas vão compor poupança rural, que direciona 60% do que é captado para financiamentos no setor. O Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou nesta quinta-feira (25) que as cooperativas de crédito possam ofertar conta-poupança aos clientes. As entidades poderão, a partir de 1º de julho, fazer a solicitação ao Banco Central para entrar no segmento.
Os recursos captados pelas cooperativas vão compor a chamada poupança rural, que direciona 60% do que é captado para financiamentos no setor.
Atualmente, poucas instituições podem operar a poupança rural: Banco do Brasil, Banco da Amazônia, Banco do Nordeste e bancos cooperativos.
“O objetivo é ampliar as fontes de recursos para o crédito rural, aumentar a competição do segmento, por meio dessa autonomia de captação das cooperativas, aproveitando a capilaridade dessas entidades”, explicou Cláudio Filgueiras, chefe do Departamento de Regulação, Supervisão e Controle das Operações de Crédito Rural do Banco Central.
Haverá um cronograma para que as entidades façam a solicitação para operar poupança. Começará em 1º de julho pelas cooperativas com maior patrimônio (acima de R$ 900 milhões), chegando até o início de 2020 para as cooperativas individuais.
Na safra agrícola atual (2018/2019), as cooperativas de crédito responderam por R$ 21,8 bilhões em financiamentos rurais. O BC não tem uma estimativa de quanto a medida vai representar em aumento na oferta de crédito rural.