Cidade de SP tem desempenho abaixo da meta em novo índice de avaliação do ensino fundamental


Das escolas com turmas dos anos iniciais do fundamental, 83% ficaram abaixo da meta; nos anos finais, 59% das escolas não conseguiram atingir o índice esperado. A rede municipal de ensino de São Paulo ficou abaixo da meta na primeira edição do Índice de Desenvolvimento da Educação Paulista (Idep).
O indicador criado pra avaliar anualmente o desempenho dos estudantes das mais de 500 escolas municipais foi lançado em 2019 pela Prefeitura de São Paulo.
A Capital alcançou o índice de 4,7 nos anos iniciais do ensino fundamental, e 4,6 nos anos finais do fundamental. No entanto, as metas eram 5,1 e 4,8, respectivamente.
Os dados foram divulgados pela Secretaria Municipal de Educação (SME) no fim da tarde de sexta-feira (21), véspera de carnaval. Apesar do índice abaixo da média, a gestão municipal não considera ruim os resultados.
“Os pais, os professores, os próprios estudantes, toda a sociedade vai poder acompanhar escola por escola o que vai acontecer com a qualidade do ensino nos próximos anos, e também cobrar a própria escola para que a qualidade melhore ainda mais”, afirma o secretário municipal de Educação, Bruno Caetano.
O Idep é calculado com base no desempenho dos estudantes de escolas municipais na Prova São Paulo, aplicada anualmente para as áreas de língua portuguesa, matemática e ciências. Esse desempenho é transformado em uma escala de 0 a 10 e depois multiplicado pela taxa de aprovação, reprovação e abandono dos estudantes. Segundo a secretaria, mais de 300 mil alunos participaram da edição de 2019 da prova.
Apesar de usar metodologia semelhante à do Ideb, o índice nacional que avalia a educação básica, o Idep incorporou outros fatores na análise do desempenho de cada escola. Um deles é o nível socioeconômico (NSE) dos estudantes. Segundo os especialistas, quesitos como a escolaridade da mãe têm efeitos relevantes no desempenho dos alunos, e levar em conta a desigualdade social e econômica entre as famílias ajuda a entender os resultados do aprendizado escolar.
No caso do Idep, as escolas municipais foram divididas em seis faixas, de acordo com o NSE e outros fatores (leia mais abaixo).
Maior parte das escolas do ensino fundamental ficou abaixo da meta estipulada
Ana Carolina Moreno/TV Globo
Maioria das escolas abaixo da meta
Além do índice consolidado da rede municipal, cada escola e Diretoria Regional de Ensino (DRE) também teve o seu Idep calculado. Segundo a SME, 83% das 545 escolas com turmas dos anos iniciais do fundamental (1º ao 5º ano) e 59% das 538 escolas que oferecem os anos finais (6º ao 9º ano) não conseguiram atingir a meta definida no ano passado.
A TV Globo solicitou à secretaria a lista com o resultado do índice por escola e diretoria, ou a lista de escolas que estavam acima ou abaixo da meta, mas os dados não foram divulgados, assim como os resultados por faixa de nível socioeconômico.
Novo currículo afetou desempenho, diz secretaria
Em nota divulgada na sexta, a Secretaria Municipal de Educação afirmou que “esse resultado se deve à incorporação à prova de itens do novo Currículo da Cidade, em implantação desde 2018 e estruturado a partir da Base Nacional Comum Curricular (BNCC)”. Ela dá como exemplo um conteúdo de álgebra que antes era ensinado aos estudantes do 7º ao 9º ano, mas foi antecipado pela BNCC para os alunos cursando entre o 4º e o 6º ano.
Segundo Wolney Melo, doutor em avaliação educacional e consultor de formação de professores, um dos efeitos práticos da entrada em vigor da Base Nacional é a exigência de adaptação por parte dos docentes.
“Não posso esperar que um aluno do 4º ano tenha a mesma maturidade desenvolvida que um aluno do 6º ou 7º ano”, explicou ele. Segundo Melo, isso não quer dizer que um conceito não possa ser ensinado mais cedo do que ocorria antes da aprovação da Base. “Mas não é da mesma forma que ele deve ser ensinado.”
O consultor diz que uma das áreas com mais mudanças foi justamente a de ciências, e que agora os esforços devem ser investidos na formação continuada dos professores, para que eles consigam ajustar as aulas às novas expectativas.
Entenda o Idep
O que é o Idep?
É um indicador usado para medir, ano a ano, o desempenho dos estudantes dos anos iniciais e finais do fundamental de todas as escolas municipais da Capital;
Ele foi lançado pela Prefeitura de São Paulo em 2019, e os resultados da primeira edição foram lançados na última sexta-feira (21);
A rede municipal tem mais de 500 escolas e 400 mil estudantes;
Em 2019, mais de 300 mil estudantes do 2º ao 9º ano do ensino fundamental participaram da Prova São Paulo.
Como o Idep é calculado?
O cálculo do Idep segue metodologia parecida à do Ideb (o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, feito pelo Inep, do governo federal, desde 2005);
Primeiro, ele transforma numa escala de 0 a 10 os resultados da Prova São Paulo (uma avaliação de língua portuguesa, matemática e ciências feita com todos os alunos todos os anos);
Depois, esse resultado é multiplicado pela taxa de aprovação dos alunos.
Como foram definidas as metas do Idep?
As metas foram calculadas ano a ano até 2023 com base em várias informações;
Um estudo foi feito com base nos resultados da rede municipal e do Brasil nas edições anteriores da Prova Brasil, para entender qual foi o crescimento da Capital e do país, e o que seria uma projeção factível para os próximos anos;
Como a Prova Brasil não cobra itens de ciências, a meta para essa área foi feita com base no desempenho da Prova São Paulo;
Também foram levados em conta dois indicadores: o Inse, que avalia o nível socioeconômico de cada escola (com base em dados dos estudantes, como a escolaridade da mãe), e o ICG, o Índice de Complexidade de Gestão (que leva em conta o perfil de cada escola, como o tamanho dela, e a dificuldade de administrar a escola);
Segundo a SME, isso “significa que uma escola com 500 estudantes que funciona nos períodos manhã e tarde não pode ser comparada com outra escola com 1.200 estudantes que funciona em três períodos. Há uma complexidade que precisa ser considerada. O mesmo em relação ao nível socioeconômico”.
Assista abaixo à reportagem de 2019 sobre o lançamento do Idep:
Prefeitura de São Paulo lança Índice de Desenvolvimento da Educação