China anuncia que também vai elevar tarifas sobre produtos dos EUA


Ministério das Finanças disse que vai impor sobretaxas sobre US$ 60 bilhões de produtos norte-americanos a partir de 1 de junho. Guerra comercial entre os EUA e a China pode ser o início de uma mudança de tendência no comércio global
127071/Creative Commons
A China anunciou nesta segunda-feira (13) que planeja impor tarifas sobre US$ 60 bilhões em produtos dos Estados Unidos, depois que os EUA intensificaram a guerra comercial com uma elevação das tarifas em vigor sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses.
O Ministério das Finanças da China informou que vai elevar as tarifas sobre um total de 5.140 produtos norte-americanos a partir de 1 de junho, segundo a agência Reuters.
A tensão comercial entre as duas maiores economias do mundo se intensificou na sexta-feira com os Estados Unidos elevando as tarifas, de 10% para 25%, sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses, depois que o presidente Donald Trump disse que Pequim “quebrou o acordo” ao voltar atrás em compromissos anteriores feitos durante meses de negociações.
Trump também ordenou que o represente de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, comece a impor tarifas sobre todas as importações restantes da China, medida que vai afetar cerca de outros US$ 300 bilhões em produtos.
Antes do anúncio de Pequim desta segunda, Trump havia aconselhado a China a não fazer retaliações, considerando que uma escalada da guerra comercial entre Pequim e Washington “só piorará as coisas”.
“A China se aproveitou dos Estados Unidos por tantos anos que está muito à frente (nossos presidentes não fizeram o trabalho.) Portanto, a China não deve retaliar, isso só vai piorar as coisas!”, tuitou o presidente.
Mais cedo, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, disse em entrevista à imprensa que a China nunca vai se render a pressões externa. “Dissemos muitas vezes que acrescentar tarifas não vai resolver qualquer problema. A China nunca vai se render à pressão externa. Temos a confiança e a capacidade de proteger nossos direitos legítimos e legais”, afirmou..
Quem paga as tarifas de importação impostas por Trump? ENTENDA
Guerra comercial: termina sem acordo negociação entre EUA e China
Reação dos mercados
A elevação da tensão comercial entre os dois países reverberaram através dos mercados financeiros globais. As principais bolsas do mundo operam em queda nesta segunda.
“Cada aumento nas tarifas é um entrave para a economia global e se arrastar a economia para baixo, vai arrastar os ganhos para baixo, então as acções vão reagir a isso”, disse Art Hogan, estratega-chefe de mercado da National Securities em Nova York.
Com a disputa comercial a estender-se, os investidores esperam que as tarifas aumentem os custos corporativos, diminuam as margens de lucro e dificultem a capacidade das empresas de planear ou fazer despesas de capital.
No Brasil, dólar bate R$ 4 e Bolsa tem queda
Guerra comercial
Há anos, os EUA reclamam que a China gera ao país um considerável déficit comercial (que é a diferença do volume exportado entre os dois países). Trump alega que o país asiático rouba propriedade intelectual, especialmente no setor de tecnologia, além de violar segredos comerciais das empresas americanas, gerando uma concorrência desleal com o resto do mundo.
Por isso, o combate aos produtos “made in China” é uma bandeira de campanha de Trump que recebeu o apoio de vários países.
A meta do governo Trump era reduzir em pelo menos US$ 100 bilhões o rombo com a China. Só que há controvérsia até no cálculo do tamanho buraco: nas contas de Trump, é de US$ 500 bilhões; nas da China, é de US$ 275,8 bilhões; dados oficiais dos EUA, apontam ser de US$ 375 bilhões ao ano.
Washington apela a uma redução de seu enorme déficit comercial com a China, “mudanças estruturais” como o fim da transferência de tecnologia forçada, proteção da propriedade intelectual nos EUA e os subsídios chineses para empresas estatais.