Chico César dá nomes às vítimas do covid-19 em canção com poema de Bráulio Bessa


A letra de ‘Inumeráveis’ compila dados de memorial criado para homenagear os mortos na pandemia. ♪ “Se números frios não tocam a gente / Espero que nomes possam tocar”, enfatiza Chico César nos dois versos que se repetem como mantras na letra da canção Inumeráveis.
Escrito pelo poeta cearense Braúlio Bessa a partir de dados do memorial Inumeráveis, criado para impedir que as vítimas da pandemia do covid-19 se tornem somente números nas estatísticas diárias, o poema Inumeráveis virou letra de música ao ganhar melodia de Chico César.
O compositor paraibano fez canção com métrica que se ajusta à prosódia dos cantadores nordestinos.
Inumeráveis foi apresentada por Chico César na quinta-feira, 14 de maio, em registro caseiro de voz e violão veiculado na conta oficial do artista no Instagram, como homenagem às vítimas fatais do covid-19.
♪ Eis a letra de Inumeráveis, composição feita por Chico César a partir de poema de Bráulio Bessa:
André Cavalcante era professor
amigo de todos e pai do Pedrinho
O Bruno Campelo seguiu se caminho
Tornou-se enfermeiro por puro amor
Já Carlos Antônio, era cobrador
Estava ansioso pra se aposentar
A Diva Thereza amava tocar
Seu belo piano de forma eloquente
Se números frios não tocam a gente
Espero que nomes consigam tocar
Elaine Cristina, grande paratleta
fez três faculdades e ganhou medalhas
Felipe Pedrosa vencia as batalhas
Dirigindo über em busca da meta
Gastão Dias Junior, pessoa discreta
na pediatria escolheu se doar
Horácia Coutinho e seu dom de cuidar
De cada amigo e de cada parente
Se números frios não tocam a gente
Espero que nomes consigam tocar
Iramar Carneiro, herói da estrada
foi caminhoneiro, ajudou o Brasil
Joana Maria, bisavó gentil.
E Katia Cilene uma mãe dedicada
Lenita Maria, era muito animada
baiana de escola de samba a sambar
Margarida Veras amava ensinar
era professora bondosa e presente.
Se números frios não tocam a gente
Espero que nomes consigam tocar
Norberto Eugênio era jogador
piloto, artista, multifuncional
Olinda Menezes amava o natal.
Pasqual Stefano dentista, pintor
Curtia cinema, mais um sonhador
Que na pandemia parou de sonhar
A vó da Camily não vai lhe abraçar
com Quitéria Melo não foi diferente
Se números frios não tocam a gente
Espero que nomes consigam tocar
Raimundo dos Santos, um homem guerreiro
O senhor dos rios, dos peixes também
Salvador José, baiano do bem
Bebia cerveja e era roqueiro
Terezinha Maia sorria ligeiro
cuidava das plantas, cuidava do lar
Vanessa dos Santos era luz solar
mulher colorida e irreverente
Se números frios não tocam a gente
Espero que nomes consigam tocar
Wilma Bassetti vó especial
pra netos e filhos fazia banquete
Yvonne Martins fazia um sorvete
Das mangas tiradas do pé no quintal
Zulmira de Sousa, esposa leal
falava com Deus, vivia a rezar.
O X da questão talvez seja amar
por isso não seja tão indiferente
Se números frios não tocam a gente
Espero que nomes consigam tocar