Chefe da diplomacia da União Europeia se desculpa por criticar ‘síndrome Greta’


‘Quero pedir desculpas a todos aqueles que podem ter se ofendido com minha referência inadequada ao importante movimento de jovens que lutam contra as mudanças climáticas’, escreveu o espanhol Josep Borrel em rede social neste sábado. Josep Borrell, representante da União Europeia para assuntos internacionais, durante coletiva em 10 de janeiro de 2020
Francois Lenoir/Reuters
O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, fez um pedido de desculpas neste sábado (8) após a polêmica causada pelas críticas a uma “síndrome de Greta [Thunberg]” sobre o compromisso de jovens manifestantes contra as mudanças climáticas.
A ativista sueca Greta Thunberg, de 17 anos, é considerada inspiradora de um movimento de estudantes que fizeram greve global pelo clima em várias cidades do mundo.
“Quero pedir desculpas a todos aqueles que podem ter se ofendido com minha referência inadequada ao importante movimento de jovens que lutam contra as mudanças climáticas”, escreveu o espanhol no Twitter.
Quem é Greta Thunberg, a ativista por trás da greve global pelo clima
Em um debate realizado nesta quarta-feira (5) no parlamento europeu, Josep Borrell, de 72 anos, questionou a seriedade do compromisso dos jovens manifestantes mobilizados em torno de Greta Thunberg, sugerindo que eles não perceberam o custo das medidas necessárias para impedir o aquecimento global.
Referindo-se à “síndrome de Greta”, Borrell havia dito: “É muito bom sair e protestar contra a mudança climática até que te pedem para pagar por ela”. A suposição insinuava que os jovens que tomam essa atitude não estão cientes da complexidade da transição enérgica.
O grupo de eurodeputados verdes, que divulgou o vídeo controverso, disse que os comentários eram “inaceitáveis por um representante da UE”.
A ativista ambiental sueca Greta Thunberg
Cristina Quicler/France Presse