Cerca de 35% passam por aneurisma sem sequelas, como Emilia Clarke

A atriz Emilia Clarke, de 32 anos, sofreu dois aneurismas e não tem sequelas

A atriz Emilia Clarke, de 32 anos, sofreu dois aneurismas e não tem sequelas
Reprodução

Cerca de 30% das pessoas morrem imediatamente após um aneurisma. Entre as 70% que conseguem sobreviver, metade terá sequelas graves e a outra metade irá se recuperar totalmente. Emilia Clarke faz parte dessa minoria.

A atriz de 32 anos que interpreta a personagem Daenerys Targaryen, na série Game of Thrones, revelou à revista norte-americana The New Yorker que sofreu dois aneurismas. Fez duas cirurgias para sanar o problema, sendo a primeira quando ela tinha apenas 24 anos.

“Sobreviver a um aneurisma depende da quantidade de sangramento e do quadro clínico do paciente. Quando um aneurisma se rompe, não se sabe se vai sangrar pouco e causar sintomas como dor de cabeça súbita de forte intensidade, náusea e vômito, ou se vai sangrar muito [acima de 50 ml], provocando aumento da pressão craniana e levando à morte”, explica o neurocirurgião André Bianco, do Hospital 9 de Julho, em São Paulo.

Leia também: Campanha alerta sobre importância do atendimento rápido no AVC

Emilia descreve no artigo que “sentiu como se uma cinta elástica apertasse seu cérebro”. “Quase me arrastando, cheguei ao vestiário. Entrei no banheiro e me ajoelhei, com náuseas. Enquanto isso, a dor me perfurava a cabeça cada vez mais. Sabia o que estava acontecendo: meu cérebro estava afetado”, afirmou à revista.

Ela se sentiu mal na academia, enquanto se exercitava. A atriz havia iniciado atividade física para aliviar o grande estresse das gravações, segundo seu depoimento.

Estresse pode interferir no problema

O aneurisma é uma dilatação da parede da artéria que, devido à pressão do sangue, forma uma pequena bolsa. Essa dilatação ocorre quando há uma fragilidade na artéria, de acordo com o neurocirurgião Mariano Fiore, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Veja também: Médicos usam inteligência artificial para reduzir danos do AVC

“Geralmente há uma predisposição e o tabagismo ou a pressão alta vão fazer o aneurisma aparecer”, afirma. “Se o estresse eleva a pressão arterial, então ele pode, desta forma, desencadear o problema”, completa.

Como é uma doença da artéria, o aneurisma pode acontecer em qualquer parte do corpo, sendo mais comum no cérebro, no abdome, pernas, braços e na aorta, a mais importante artéria do corpo. Os casos graves são mais frequentes a partir dos 50 anos, segundo Fiore.

“Quando há casos em mais de um membro da família, há maior chance de a pessoa ter um aneurisma”, afirma.

Nesses casos, ele orienta a consulta de um especialista – que pode ser um cirurgião vascular ou neurologista – para rastrear o risco do surgimento de dilatações, já que não causa sintomas. Além disso recomenda o controle da pressão arterial, uma dieta saudável, a prática de atividade física e o não tabagismo.

Isolar aneurisma pode levar à vida normal

As sequelas do aneurisma estão relacionadas às áreas do cérebro afetadas, que vão desde alteração do movimento dos olhos, paralisia dos membros, como ocorre no AVC, até o estado comatoso, também chamado de vegetativo.

Os neurocirurgiões explicam que existem dois tipos de tratamento: a craniotomia, na qual o crânio é aberto e é feita a clipagem do aneurisma, ou seja, ele é isolado da artéria, e a técnica endovascular, na qual um cateter é introduzido na artéria femoral levando uma pequena mola metálica, que envolve o aneurisma, impedindo um novo sangramento.

“Uma vez que o aneurisma seja isolado, o paciente poderá levar uma vida normal, fazendo apenas exames de controle. No método cirúrgico, há 90% de chance de ele ser definitivo, ou seja, que seja preciso fazer uma vez somente na vida. Já o endovascular, não”, explica Fiore. 

Veja também: Em depoimento, Cunha afirma ter aneurisma e que não tem tratamento adequado

Segundo Bianco, geralmente opta-se pela clipagem, sendo a terapia endovascular indicada a pacientes com risco cirúrgico ou quando a localização do aneurisma apresenta risco ao procedimento.

O neurocirurgião explica que a sobrevida após a ruptura de um aneurisma varia de 10% a 80% e depende do quadro clínico do paciente antes do incidente e de quanto sangramento provocou esse aneurisma. “Um aneurisma que não rompeu pode ser tratado e o risco de ele se romper é muito baixo”, afirma.

Saiba quais são os principais sinais do AVC: