Ceará oferece 2.054 bolsas de formação acadêmica e pesquisa


As bolsas contemplam instituições de ensino superior públicas e privadas do Ceará, além de instituições de pesquisa. O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) é um das intituições beneficiadas com as bolsas
Isaac Macedo/SVM
O governador Camilo Santana (PT) anunciou, nesta quinta-feira (19), a abertura de 2.054 bolsas de formação acadêmica e pesquisa no estado do Ceará. O investimento será de R$ 29 milhões em 2021 e R$ 92 milhões até o fim do ciclo das bolsas, que têm duração de 6 e 48 meses.
Veja quais são as bolsas:
780 para iniciação científica
606 bolsas de mestrado
486 bolsas para doutorado
108 bolsas de pesquisa
10 bolsas de pesquisador visitante
64 bolsas de pós-doutorado
Governo vai investir R$ 92 milhões em bolsas de formação acadêmica e pesquisa no CE
Governo do Ceará
O governador afirma que a iniciativa é para apoiar o desenvolvimento científico e os pesquisadores cearenses. “Investimento em pesquisa e na formação acadêmica de nossos alunos, professores e pesquisadores, principalmente nesse momento desafiador da pandemia, no qual a ciência foi e tem sido fundamental para superação dessa crise sanitária que o mundo todo tem vivido com a presença do coronavírus”, disse.
As bolsas contemplam instituições de ensino superior públicas e privadas do Ceará, além de instituições de pesquisa, como Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce); Instituto do Câncer do Ceará (ICC); Núcleo de Tecnologia e Qualidade Industrial do Ceará (Nutec); Instituto Centro de Ensino Tecnológico; Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz); entre outras.
Produção científica
Segundo levantamento da Web of Science, entidade sem fins lucrativos que cataloga e acompanha a produção de pesquisadores de todo o mundo, a produção científica das universidades cearenses cresceram 16,7% em 2020 em relação a 2019.
As bolsas também contemplam o programa Cientista Chefe, desenvolvido pela Funcap, e a ampliação das universidades estaduais. “É um programa pioneiro aqui no Ceará, que tem uma parceria importante com a academia para a construção de soluções para os problemas do dia-a-dia da população”, explicou Camilo Santana.
Para Cândido Albuquerque, reitor da Universidade Federal do Ceará (UFC), as bolsas vão dar oportunidade a inclusão de pessoas para produzir ciência e ajudar o Ceará e o Brasil.
“Estamos falando na capacidade de preparar pessoas para que possam produzir ciência. Isso é fundamental, é um momento de alegria. Todo mundo deve estar feliz, mas as universidades especialmente, porque elas são vocacionadas à pesquisa, ciência e inovação. Com a condução do Governo do Estado, nós estamos colocando o Ceará como referência na produção do conhecimento científico.”
Assista às notícias do Ceará no G1 em 1 Minuto: