Ministros visitam 33 crianças brasileiras detidas nos EUA

Bandeira dos EUA com a Trump Tower ao fundo

Bandeira dos EUA com a Trump Tower ao fundo
BBC BRASIL

Os dois enviados do governo brasileiro aos Estados Unidos, o chanceler Aloysio Nunes Ferreira, e o ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, visitaram nesta quinta e sexta-feiras dois abrigos para crianças separadas dos pais brasileiros, detidos pela polícia de migração americana. Ambas as instituições são da cidade de Chicago, localidade que concentra o maior número de menores brasileiros nesta situação: 33 de 55 crianças e adolescentes, de acordo com o último levantamento do Itamaraty. Segundo as autoridades brasileiras, elas estariam sendo “bem tratadas”.

Na primeira visita, a abrigo da rede Heartland Alliance, os ministros, acompanhados de representantes consulares do Brasil, estiveram com 21 menores de 9 a 17 anos, separados dos pais durante travessia da fronteira entre México e Estados Unidos. “Eles aparentaram estar bem alimentados e vestidos adequadamente”, afirma página oficial da Presidência da República, sem dar qualquer informação sobre a condição emocional das crianças e adolescentes. Em segunda visita, também a abrigo localizado em Chicago, a equipe contactou outros 12 filhos de brasileiros.

Nunes Ferreira convocou à Chicago 14 cônsules-gerais esta semana além de representantes das embaixadas do Brasil na Cidade do México, Ottawa e Washington, para discutir a situação e elaborar um plano de ação para tentar acelerar a reunificação das famílias. A reunião da Rede Consular do Brasil na região se estende até esse sábado. Até o momento, apenas uma criança brasileira foi liberada do abrigo, segundo informa o Itamaraty, e não há previsão de novas liberações por autoridades americanas.