Incêndio se alastra na Califórnia e 3 mil moradores são evacuados

Bombeiros combatem incêndio em Santa Bárbara, na Califórnia

Bombeiros combatem incêndio em Santa Bárbara, na Califórnia
Reuters / Gene Blevins / 7.7.2018

Autoridades do condado de Santa Bárbara, nos Estados Unidos, decretaram emergência neste sábado (7), quando um rápido incêndio causado por ventos fortes e altas temperaturas destruiu casas e forçou 3,2 mil residentes a evacuarem.

O incêndio, um entre dezenas no oeste dos Estados Unidos, começou perto da comunidade litorânea de Goleta, na Califórnia, na noite de sexta-feira, antes de queimar a vegetação seca no sopé da Floresta Nacional de Los Padres.

Além das evacuações, autoridades disseram que o incêndio deixou 2 mil pessoas sem energia elétrica, acrescentando que a declaração de emergência ajudará o município a obter recursos adicionais para o combate a incêndios.

Cerca de 350 bombeiros aproveitaram um período de ventos leves no início deste sábado para conter o máximo possível do incêndio, que atingiu de 20 a 32 hectares e danificou ou destruiu 20 edifícios, disseram autoridades.

É provável que os ventos voltem a aumentar à medida que a temperatura sobe à tarde, disse Mike Eliason, porta-voz da equipe de combate ao fogo. Até agora, os bombeiros criaram linhas de contenção em torno de apenas 5 por cento do incêndio, disse ele.

Polícia do Rio prende suspeito de matar namorada na Austrália

Morte foi tratada como "suspeita" pela polícia local

Morte foi tratada como “suspeita” pela polícia local

Reprodução/Twitter

Policiais da Delegacia da Praça da Bandeira (18ª DP) prenderam, neste sábado (7), o suspeito de matar Cecília Müller Haddad, de 38 anos, na Austrália. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do Polícia Civil. 

O homem, que é ex-companheiro da vítima, foi denunciado por feminicídio e teve a prisão decretada pela Justiça na quinta-feira (5).

Na sexta (6), policiais cumpriram mandado de busca e apreensão em um endereço em Copacabana, na zona sul do Rio. 

O corpo de Cecília foi encontrado no rio Lane Cove, em Sidney, onde morava, no dia 29 de abril. A morte dela foi tratada como “suspeita” pela polícia local.

Em maio, a família da vítima acionou a Delegacia de Homicídios da Capital. Os investigadores então ouviram parentes e fizeram uma análise pericial de documentos fornecidos por eles.

Além de apontar a autoria do crime, a DH Capital constatou a causa da morte por asfixia mecânica por constrição do pescoço.

Em nota, a Polícia Civil informou ainda que “a Divisão de Homicídios, no início da investigação, solicitou, via Interpol brasileira, colaboração da Interpol australiana no sentido de providenciar e fornecer informações sobre a investigação do homicídio de Cecília Müller Haddad realizado pela polícia australiana, não tendo, até o momento, recebido resposta.”

O R7 ainda não conseguiu contato com a defesa do suspeito do preso.