7 das 10 cidades que mais emitiram carbono no Brasil estão na Amazônia e lideram taxas de desmatamento


Pela primeira vez, o Observatório do Clima, rede de 56 organizações da sociedade civil, mostra qual é a contribuição de cada município brasileiro para a crise do clima. Veja mapa com as mil cidades que mais emitiram C0². São Félix do Xingu (PA), Altamira (PA) e Porto Velho (RO). Essas são as três cidades com a maior taxa de desmatamento dos últimos dois anos e que estão na lista das 10 que mais perderam floresta desde 2008. São elas também as que mais emitem CO² no país, o principal gás do efeito estufa. Qual é a relação entre desmatamento e mudanças do clima?
Há uma relação direta, principalmente no Brasil. Pela primeira vez, dados do Observatório do Clima, rede de 56 organizações da sociedade civil, contabilizam qual é a emissão de cada um dos 5.570 municípios do Brasil. Entre as 10 cidades com a maior liberação de carbono, sete também estão no topo na lista de desmatamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Veja no gráfico no início da matéria quais são as mil cidades com maior taxa de carbono do país.
10 cidades com mais emissões e a posição na Amazônia de perda de floresta:
São Félix do Xingu (PA) – 2° lugar na taxa de desmatamento
Altamira (PA) – 1° lugar na taxa de desmatamento
Porto Velho (RO) – 3° lugar na taxa de desmatamento
São Paulo (SP)
Pacajá (PA) – 6° lugar na taxa de desmatamento
Colniza (MT) – 12° lugar na taxa de desmatamento
Lábrea (AM) – 4° lugar na taxa de desmatamento
Novo Repartimento (PA) – 18° lugar na taxa de desmatamento
Rio de Janeiro (RJ)
Serra (ES)
Desmate, agropecuária e carbono
Quando qualquer árvore morre, seja por decomposição ou por queima, ela emite carbono. Para os dados do Observatório do Clima, a unidade de medida é a tonelada de C0², mas a floresta derrubada também emite outros gases: o metano (CH4), que equivale a 25 toneladas de C0²; e o óxido nitroso (N2O), que equivale a 270 toneladas.
“Se a floresta tem 200 toneladas de carbono vivas, e essas 200 toneladas vão oxidando depois do desmate, o carbono vira CO² e, se está em condições anaeróbicas (sem oxigênio), pode até virar metano”, explica Tasso Azevedo, coordenador do Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG), nome dado ao projeto que contabiliza as emissões.
Cidades que desmatam, mas que tem uma população reduzida, somam uma taxa de emissões per capita altíssima. Por exemplo, Santa Cruz do Xingu (MT): cada pessoa emite 857,9 toneladas de CO² por ano, um número equivalente à produção de gases do efeito estufa de 800 carros. Segundo Azevedo, essa distorção está relacionada à forte perda de floresta em um município que tem menos de 3 mil habitantes.
Área desmatada em São Félix do Xingu,no Pará, ao fundo é possível observar gado na área queimada.
Kleberson Santos/Agência Pará
A agropecuária também é uma fonte importante das emissões de gases no Brasil. No topo da lista do setor, também está São Félix do Xingu. A cidade, além de contribuir com altas taxas de desmatamento, também tem o maior rebanho bovino do país. Dados mais recentes apontam um crescimento de 18% nos últimos 10 anos, com 2,3 milhões de animais apenas na cidade paraense.
“Quando você vê as emissões de agropecuária, elas envolvem os animais, são as chamadas ‘fermentações entéricas’, o arroto do boi. Ele come capim, e ele degrada a matéria orgânica dentro do estômago, um ambiente anaeróbico, que gera metano”, explica Azevedo.
Além da participação do gado nas emissões de gás carbônico, o setor também contribui com os gases liberados pelas áreas alagadas das plantações de arroz, óxido nitroso dos fertilizantes nitrogenados, além de outras causas menos representativas.
São Paulo, Rio e Serra
São Paulo, Rio de Janeiro e Serra também estão entre as 10 cidades brasileiras com mais emissões e que, portanto, contribuem com mudanças do clima no planeta.
A capital paulista lidera as emissões por energia, com mais 12,4 milhões de toneladas de C0² – a maior parte está relacionada à frota de veículos. A cidade também emite uma parte do setor de resíduos, mas o Rio de Janeiro está no primeiro lugar.
Os resíduos do Rio liberam mais gases do efeito estufa que os de São Paulo, uma história que está ligada a um outro município paulista: Caieiras. Como outras cidades brasileiras, tem emissões negativas de C0². Como isso pode acontecer?
Caieiras recebe parte do lixo de São Paulo e faz um processamento do metano para geração de energia. O aterro está associado a uma usina que aproveita as emissões, sem liberar para o planeta. O Rio de Janeiro acaba liderando a lista de cidades com mais gases devido aos resíduos, em parte porque não tem um sistema de recuperação como o feito por Caieiras e São Paulo.
Já a cidade de Serra, no Espírito Santo, aparece na lista porque tem muitas emissões no setor industrial. Ela concentra uma parte das siderúrgicas do país, que também tem um papel no montante de carbono brasileiro.
Sobre os dados
O que é aquecimento global?
Os dados do SEEG por município são inéditos e mostram qual é a quantidade de C0² emitida por cada um dos municípios brasileiros. É o excesso do gás carbônico, e outros gases em menor quantidade, que gera o aquecimento da Terra, o tal do efeito estufa. Em Vênus, nosso vizinho no Sistema Solar, a atmosfera é 96% composta por CO² e a temperatura passa dos 400ºC. Por isso, o esforço em contabilizar a quantidade de gás carbônico e o papel do Brasil nas mudanças climáticas atuais.
Tasso Azevedo explica que para conseguir trazer os números mais completos, precisou juntar informações de 2000 a 2018, sendo que os dados acima são relacionados ao último ano. O projeto utiliza como base de dados as informações públicas dos municípios, mas uma parte delas não está disponível para os anos de 2019 e 2020. De acordo com o pesquisador, o projeto trará novas informações assim que possível, com as emissões do país ano a ano.

Please enter banners and links.

Meghan Markle acusa Palácio de Buckingham de ‘perpetuar inverdades’ sobre ela e príncipe Harry em entrevista a Oprah 


Duquesa de Sussex também disse: “Se isso vem com o risco de perder coisas, quero dizer… Há muita coisa que já foi perdida.” Imagem de Meghan e Harry em 2018
Clodagh Kilcoyne/Reuters
A duquesa de Sussex, Meghan Markle, disse que o Palácio de Buckingham não poderia esperar que ela e o príncipe Harry ficassem em silêncio se isso significar a “perpetuação de falsidades” sobre o casal.
O comentário surge em um trecho de uma entrevista com a apresentadora de TV americana Oprah Winfrey, que perguntou como Meghan se sentia sobre o palácio poder ouvi-la falando “sua verdade hoje”.
Relembre a trajetória do casal Príncipe Harry e Meghan Markle até deixar a Família Real
Meghan também disse: “Se isso vem com o risco de perder coisas, quero dizer… Há muita coisa que já foi perdida.”
O Palácio de Buckingham está investigando alegações de que a duquesa teria praticado bullying contra funcionários da realeza.
As alegações foram publicadas depois que a entrevista com Oprah foi gravada.
Entrevista
Meghan e Harry com o filho Archie, em foto durante viagem a Cidade do Cabo, na África do Sul, em 2019
Henk Kruger/African News Agency/AP/Pool/Arquivo
A entrevista com a apresentadora, que irá ao ar nos Estados Unidos no domingo (7) e no Reino Unido na segunda-feira (8), deve detalhar o curto período de Harry e Meghan como membros da realeza trabalhando juntos antes de renunciarem a seus cargos para viverem nos Estados Unidos.
No vídeo de 30 segundos lançado pela emissora de TV americana CBS, Meghan diz:
“Não sei como eles poderiam esperar que, depois de tanto tempo, ainda ficaríamos em silêncio enquanto a The Firm (como é chamada a realeza britânica) desempenha um papel ativo em perpetuar falsidades sobre nós.”
O duque e a duquesa de Sussex deixaram seus cargos como membros sêniores da realeza britânica em março de 2020 e agora vivem na Califórnia (EUA).
Uma reportagem do jornal britânico The Times de quarta-feira (3) afirmou que a duquesa foi alvo de uma queixa quando fazia parte da realeza.
De acordo com a denúncia, o episódio aconteceu em outubro de 2018, enquanto o duque e a duquesa viviam no Palácio de Kensington após seu casamento, que ocorreu em maio daquele ano.
Um e-mail vazado por um funcionário e publicado pelo jornal alega que Meghan teria provocado a demissão de duas assistentes pessoais, uma delas um mês após assumir o posto. A profissional em questão já trabalhava para a Rainha havia 17 anos.
Segundo o mesmo e-mail, a duquesa teria ainda “abalado a confiança” de uma terceira funcionária.
Em um comunicado posterior, o Palácio de Buckingham – responsável pela contratação da equipe real – disse que estava “claramente muito preocupado com as alegações do The Times” e afirmou que sua equipe de Recursos Humanos examinaria as circunstâncias descritas na reportagem.
“A Casa Real tem uma política de Dignidade no Trabalho em vigor há vários anos e não tolera e não tolerará intimidação ou assédio no local de trabalho.”
‘Ataques contra Meghan’
As acusações de bullying são negadas por Meghan e pelo príncipe Harry.
Uma declaração emitida pelo porta-voz de Meghan em resposta à reportagem do jornal disse: “A duquesa está entristecida por este último ataque à sua pessoa, particularmente como alguém que foi alvo de bullying e está profundamente comprometida em apoiar aqueles que passaram por dor e trauma.
“Ela está determinada a continuar seu trabalho construindo compaixão mundo afora e continuará se esforçando para dar o exemplo de fazer o que é correto e fazer o que é bom.”
O príncipe Harry disse anteriormente que a decisão de deixar os holofotes foi para proteger a si mesmo e sua família da imprensa.
No mês passado, foi anunciado que o casal não voltaria como membros ativos da Família Real.
A CBS disse que Meghan foi entrevistada sobre “realeza, casamento, maternidade” e sobre “como ela está lidando com a vida sob intensa pressão pública”.
Ela aparece acompanhada pelo príncipe Harry. O casal também fala sobre sua mudança para os Estados Unidos no ano passado e seus planos futuros.
Em um vídeo anterior lançado pela CBS, Harry traçou paralelos entre o tratamento de sua falecida mãe, Diana, Princesa de Gales, e Meghan.
Veja os vídeos mais assistidos do G1

Please enter banners and links.