Cate Blanchett encara pandemia como chance de refletir sobre o calvário dos refugiados


‘Estamos sendo forçados a confrontar o que significa a incerteza e claro que essa é a situação em que a maioria dos refugiados vive todos os anos’, afirma a atriz. Cate Blanchett, embaixadora do ACNUR (Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados), durante visita ao campo de refugiados de Kutupalong
UNHCR/Hector Perez/via REUTERS
O Dia Mundial dos Refugiados deste ano é uma chance para refletir sobre a incerteza pela qual passam pessoas forçadas a fugir de suas casas, afirmou a atriz Cate Blanchett, vencedora do Oscar, enquanto o mundo lida com a imprevisibilidade da pandemia de Covid-19.
Embaixadora do ACNUR (Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados), a atriz australiana afirmou que o evento anual de 20 de junho chega em um momento de “desafio e reflexão”.
“Estamos sendo forçados a confrontar o que significa a incerteza e claro que essa é a situação em que a maioria dos refugiados vive todos os anos”, disse Blanchett em entrevista à Reuters.
“Tem uma oportunidade… de pensar sobre como lidamos com a incerteza e talvez nos colocar no lugar de mães e pais e médicos e advogados que foram, sem terem culpa, deslocados e têm vivido, frequentemente por até 18 ou 19 anos, na situação com a qual estamos lidando há 18 meses”.
O Dia Mundial dos Refugiados honra aqueles que foram forçados a fugir de suas casas por conflitos ou perseguição. O tema deste ano pede mais inclusão a refugiados em sistemas de saúde, educação e esporte.
Vídeo: Cate Blanchett fala sobre “Cinderela”
Cate Blanchett fala sobre ‘Cinderela’