Cantor e compositor Arlindo Paixão, o ‘Mongol’, morre no Rio, vítima da Covid


Artista de 64 anos estava intubado no hospital da Fiocruz e morreu na noite de terça-feira (11). Ele era parceiro e amigo de infância de Oswaldo Montenegro, com quem escreveu letras como ‘Agonia’ e ‘Sempre não é todo o dia’. Arlindo Paixão, conhecido como ‘Mongol’, era parceiro de Oswaldo Montenegro
Reprodução/TV Globo
O cantor e compositor Arlindo Paixão, conhecido no meio artístico como Mongol, morreu de Covid, na noite de terça-feira (11), no Rio.
O artista de 64 anos estava intubado no hospital da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
Ele era parceiro e amigo de infância de Oswaldo Montenegro e escreveu com o cantor letras como “Agonia”, “Sempre não é todo o dia” e “A vida quis assim”.
A família vai esperar o filho do artista, que mora em Berlim, chegar ao Brasil para a cerimônia de cremação.
Além de parceiros musicais, Mongol e Oswaldo Montenegro eram amigos de infância
Reprodução/TV Globo
Uma mensagem na rede social de Oswaldo Montenegro diz que os dois eram amigos desde os 8 anos de idade.
“Mongol se foi. Oswaldo não tem como falar. Perdeu o menino com quem sonhou a vida desde os oito anos de idade. Não tem nem o que, nem como dizer. Nada. Oswaldo está em silêncio”.
Initial plugin text