Canadá registra centenas de mortes súbitas em meio a onda recorde de calor


Foram 233 avisos de mortes nos últimos 4 dias na província da Columbia Britânica. A cidade de Lytton bateu pelo 3º dia consecutivo o recorde de maior temperatura já registrada no país: 49,5ºC. Crianças se refrescam em parque aquático comunitário em Richmond, na Columbia Britânica, em 29 de junho de 2021. O oeste do Canadá e dos Estados Unidos enfrentam uma onda de calor sem precedentes que tem quebrado vários recordes de temperatura.
Don MacKinnon/AFP
Centenas de pessoas morreram repentinamente nos últimos dias na Columbia Britânica, província no oeste do Canadá, em meio a uma onda de calor sem precedentes na América do Norte.
A cidade de Lytton, que fica a 250 km ao leste de Vancouver, registrou pelo terceiro dia consecutivo na terça-feira (29) o recorde de maior temperatura já registrada no Canadá: 49,5ºC.
A marca canadense é quase 5°C acima do recorde histórico de calor no Brasil, que é 44,7°C (atingida em novembro de 2005 em Bom Jesus do Piauí, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia).
As altas temperaturas têm afetado também o oeste dos Estados Unidos.
VEJA TAMBÉM:
Santa Catarina tem neve e temperaturas negativas pelo 3º dia seguido; VEJA FOTOS
Cidade de SP registra 6ºC e tem a madrugada mais fria dos últimos 5 anos
Pessoas tentam se refrescar do calor em Chestermere, na província de Alberta, na terça-feira (29), no Canadá
Jeff McIntosh/The Canadian Press via AP
Pessoas tentam se refrescar do calor em Chestermere, na província de Alberta, na terça-feira (29), no Canadá
Jeff McIntosh/The Canadian Press via AP
Autoridades da Columbia Britânica, província onde fica Vancouver e Lytton, receberam 233 avisos de mortes entre sexta-feira (25) e segunda-feira (29), contra uma média de 130 em períodos normais.
Os serviços de medicina forense da província afirmaram que “o calor extremo desempenhou um papel” no “aumento importante do número de mortes”.
Já a polícia federal canadense disse em um comunicado que idosos são a maioria das vítimas. “Acreditamos que o calor contribuiu para a maioria das mortes”.
Calor em Vancouver
Desde sexta, ao menos 134 pessoas morreram repentinamente na região de Vancouver, cidade na costa do Oceano Pacífico que tem cerca de 675 mil habitantes e é a principal da Columbia Britânica.
A cidade registra há vários dias temperaturas acima de 30ºC, muito acima da média de 21ºC nesta época do ano. Na estação de esqui de Whistler o termômetro atingiu 42ºC.
“Vancouver nunca havia registrado um calor semelhante e, infelizmente, dezenas de pessoas morreram”, afirmou o porta-voz da polícia da cidade, Steve Addison.
“Estou preocupado com as pessoas mais velhas que moram no leste de Vancouver, que não têm um lugar arejado para viver e dormir”, disse Graham Griedger.
“Nunca foi tão forte, nunca via nada assim. Espero que não volte a acontecer porque é demais”, afirmou Rosa, moradora da cidade, à agência de notícias France Presse.
Recordes também nos EUA
Cidades abriram “centros de resfriamento”, suspenderam as campanhas de vacinação contra a Covid-19 e algumas escolas estão sem aulas. Aparelhos de ar-condicionado e ventiladores estão em falta na região.
Nos Estados Unidos, a onda de calor afetou Portland (no estado do Oregon) e Seattle (Washington). Conhecidas por seu clima ameno e úmido, as cidades registraram as maiores temperaturas desde o início dos registros, em 1940.
Na tarde de segunda-feira (28), os termômetros atingiram 46,1ºC no aeroporto de Portland e 41,6ºC no de Seattle, segundo o Serviço Nacional de Meteorologia dos EUA (NWS, na sigla em inglês).
A onda de calor também provocou vários incêndios florestais nos dois países, devido a um fenômeno conhecido como “cúpula de calor” (em que altas pressões prendem o ar quente na região).
“As ondas de calor estão se tornando mais frequentes e intensas à medida que as concentrações de gases de efeito estufa aumentam as temperaturas globais”, alertou nesta terça-feira a Organização Meteorológica Mundial.
“Elas começam mais cedo e terminam mais tarde, causando um impacto cada vez maior na saúde humana e nos sistemas de saúde”, afirmou a organização, que tem sede em Genebra, na Suíça.
VÍDEOS: as últimas notícias internacionais