Calor no sul da Bahia prejudica qualidade do mamão

Região é responsável por quase metade da produção do estado. Calor no sul da Bahia prejudica qualidade do mamão
A Bahia é a maior produtora de mamão do país. Em geral, o clima contribui, mas, nesta safra, ele afetou a qualidade da fruta no sul do estado, responsável por quase metade da produção.
O ideal é que a temperatura varie de 18°C a 38°C. Mas, de fevereiro para cá, ela subiu bem acima do que a região está acostumada, ultrapassando os 40°C.
“(Primeiro) Foi o excesso de água, depois a gente teve uma seca e terceiro, o que para a nossa região foi uma novidade, foi o calor muito intenso”, explica o produtor Ulisses Brambini.
A família dele investe na fruta há 35 anos. Além de plantar, tem uma empresa que vende o mamão para o Brasil e para o exterior, mas registrou uma grande queda no 1º trimestre. As vendas caíram 78% no mercado interno e 56% no externo.
Os frutos estão menores que no ano passado; em média, 35%. O preço, por outro lado, está bem melhor: o quilo do mamão formosa na roça está variando entre R$ 1,40 e R$ 1,60. O Havaí mais que dobrou: chega a quase R$ 2.