Caçadores são suspeitos de causarem incêndio florestal no Parque Nacional de Ubajara, no interior do Ceará


Um total de 16 brigadistas estiveram no local e conseguiram controlar as chamas Área atingida pelo fogo é distante do local de visitação
Divulgação
O Parque Nacional de Ubajara, unidade de conservação federal localizada no interior do Ceará, foi atingido por um incêndio florestal nesta terça-feira (1º). Conforme o chefe do parque, Gilson Mota, o fogo atingiu uma área distante do local aberto para visitação do público. A hipótese levantada é de que a queimada tenha sido motivada por fogueira feita por caçadores que atuam na região.
“Aconteceu por volta das 4h da manhã, segundo moradores, próximo a água. A gente acha que pode ter sido ação de algum caçador”, explica Mota. Segundo ele, neste período do ano, o tempo mais seco e a ocorrência de fortes ventos contribuem para o surgimento de incêndios, principalmente motivados por ação do homem.
O chefe do Parque Nacional esclarece que a situação foi controlada ainda nessa terça-feira. Um total de 16 brigadistas estiveram no local e conseguiram controlar as chamas. A ocorrência durou de 8h30 às 21 horas. Por volta das 5h desta quarta-feira (2), os profissionais voltaram à região para averiguar a situação. Até o período da manhã, não havia registros de novos focos.
“Agora está sob controle. Temos uma brigada de combate para ver, na área mais baixa, se ainda tem algum foco. A gente sabe que nesse horário começam a surgir. Hoje, vamos conseguir medir a área atingida, com GPS, já que foi na descida da serra”, ressalta Mota.
Reabertura
O Parque Nacional de Ubajara voltou a receber visitantes nesta terça-feira (1º), após quase seis meses fechado como medida de segurança contra o novo coronavírus. O chefe da Unidade informou que o incêndio não tem relação com a reabertura, já que o fogo foi detectado cerca de 20 quilômetros (km) da área liberada aos visitantes. Durante o dia, as equipes estarão no local para medição da área afetada e apuração das causas do incidente.
O Parque Nacional chega a receber 1,5 mil visitantes por mês, dependendo do período. Segundo Mota, no entanto, o processo de reabertura está sendo cauteloso e com redução no número de turistas – limitado a 350 pessoas ao dia.
“Depois, vamos aumentando esse número. Ontem (terça-feira), tivemos pouco movimento, mas já com turistas de Amazonas, Pará, mas ainda pouco. Os próximos fins de semana prometem um movimento maior. Já estamos observando a movimentação nos hotéis”, explica.