Brasil e México assinam acordo de livre comércio para automóveis e autopeças


Nova medida não impõe qualquer barreira para importação e exportação, como cotas para isenções. Brasil e México fecham acordo para livre importação e exportação de veículos leves e autopeças.
Paulo Whitaker/Reuters
Um novo acordo entre Brasil e México estabeleceu, pela primeira vez, o livre comércio para importação de automóveis e autopeças entre os países. O decreto vale a partir desta terça-feira (19) e não prevê qualquer barreira para as trocas comerciais.
Com a medida, os dois países poderão importar e exportar automóveis, comerciais leves e respectivas peças sem a imposição de cotas com isenções de impostos, ao contrário do que acontecia desde 2002. Caminhões e ônibus devem entrar para o programa a partir de 2020.
Em nota enviada à imprensa, o Ministério da Economia afirmou que a medida está prevista no Acordo de Complementação Econômica nº 55 (ACE-55), que regula o comércio automotivo e a integração produtiva entre os dois países desde 2002.
“Agora o comércio bilateral de automóveis passa a ocorrer livremente, sem cobrança de tarifas ou limitação quantitativa. A partir de hoje, também deixa de vigorar a lista de exceções, que previa regras de origem específicas para autopeças”, afirmou o comunicado.
Segundo afirmou o ministério, o retorno do livre comércio entre os dois países é um “passo importante para aprofundar o relacionamento comercial entre as duas maiores economias da América Latina.
No comunicado, também consta a informação de que esse regime comercial passará a valer também para veículos pesados (caminhões e ônibus), a partir de 2020. As negociações para tratar disso irão ganhar reforço nos próximos meses.