Bolsonaro nomeia Márcia Abrahão como reitoria da UnB


Gestora deve permanecer no cargo até 2024. Decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (20) Reitora da Universidade de Brasília, Márcia Abrahão, em imagem de arquivo
Beto Monteiro / Secom UnB
O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), nomeou a professora Márcia Abrahão como reitora da Universidade de Brasília (UnB). Reeleita, ela era a primeira colocada da lista tríplice e permanecerá no cargo pelos próximos quatro anos.
Reitora reeleita da UnB, Márcia Abrahão quer ‘equilíbrio no orçamento das universidades’ e tenta frear possível corte do MEC
UnB reelege reitora Márcia Abrahão com 54% dos votos: ‘Serão anos desafiadores’
A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira (20) (veja imagem abaixo). Márcia é a primeira mulher eleita para o cargo. Ela venceu as eleições para a reitoria da UnB em 2016 e, agora, deve permanecer no cargo até 2024.
Jair Bolsonaro (sem partido) escolhe Márcia Abrahão como reitora da UnB
DOU/Reprodução
Márcia foi reeleita para o cargo em agosto deste ano. Ela e o vice, Enrique Huelva, receberam 54% dos votos. Essa foi a primeira eleição para reitoria da UnB feita completamente de forma remota, já que as atividades presenciais estão suspensas devido à pandemia do novo coronavírus.
Cerca de 95% do corpo acadêmico da UnB se habilitou para participar, entre técnicos, professores e docentes. A reeleição foi aprovada por 16.325 votos.
Lista tríplice
Em 17 de setembro, o Conselho Universitário (Consuni) da UnB aprovou a votação da listra tríplice para nomeação da reitoria. A lista foi encabeçada por Márcia, que recebeu 96% dos votos do colégio eleitoral – 85 dos 89.
Os outros nomes que estavam na lista são os das professoras Olgamir Amancia Ferreira, da Faculdade UnB Planaltina (FUP) e Germana Henrique Pereira, do Instituto de Letras (IL).
Em outras instituições de ensino, Bolsonaro não escolheu o primeiro colocado da lista tríplice. Por exemplo, em 30 de agosto, o presidente escolheu o terceiro lugar para a gestão da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), que tem campus em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná.
Situação semelhante ocorreu na Universidade Federal do Piauí (UFPI). Nesta quinta-feira (19), Bolsonaro escolheu o segundo colocado da lista tríplice para assumir a gestão.
Primeira mulher à frente da UnB
Márcia tem graduação, mestrado e doutorado pela UnB. Mãe de dois filhos, a professora nasceu no Rio de Janeiro e chegou ao Distrito Federal em 1980 com os pais e o irmão. A trajetória da gestora na instituição de ensino começou em 1982, quando ela ingressou no curso de geologia.
Durante a formação superior, Márcia se dedicou à área de mineralogia. Em 2016, a geóloga trabalhava com pesquisas sobre granitos e mineralização. A reitoria passou por empresas como a Petrobras e o Banco Central. Além disso, ela comandou o Departamento de Mineralogia e Petrologia da UnB.
Reitora da UnB é reeleita
Em 2016, Márcia foi eleita com pautas de flexibilização da jornada de trabalho para servidores, incentivo à capacitação, ampliação das políticas de acolhimento e permanência, além da modernização da infraestrutura da universidade.
No novo mandato, Márcia pretende manter pautas sociais, como acolher estudantes que precisam de auxílio. No fim de setembro, a reitora conversou com o G1 e disse que os principais desafios para o próximo mandato serão relacionados ao orçamento da UnB, que deve sofrer cortes pelo Ministério da Educação (MEC), além da pandemia do novo coronavírus.
VÍDEOS: veja mais sobre educação
Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.