Bolsonaro diz que divulgação de dados do Inpe sobre desmatamento ‘dificulta’ negociações comerciais

Após questionar dados de desmatamento na Amazônia, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (22) que a divulgação de informações ambientais diretamente pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) “dificulta” negociações comerciais conduzidas pelo governo brasileiro com outros países e citou o acordo fechado recentemente entre o Mercosul e a União Europeia.
Bolsonaro destacou que, atualmente, o mundo todo “leva em conta” a questão ambiental e, por esse motivo, não pode ocorrer divulgação de dados sobre desmatamento sem que ele tenha conhecimentos previamente para não ser surpreendido e “pego de calçar curtas”.
Na última sexta-feira (19), o presidente da República questionou os dados divulgados pelo Inpe sobre o aumento do desmatamento na Amazônia.
Na ocasião, ele disse a jornalistas estrangeiros que, se existisse “toda a devastação que vocês nos acusam de estar fazendo e de ter feito no passado, a Amazônia já teria se extinguido”. Na mesma entrevista, Bolsonaro também levantou suspeita de que o diretor do Inpe Ricardo Magnus Osório Galvão estaria “a serviço de alguma ONG”.
“A questão ambiental o mundo todo leva em conta, outros países que estamos negociando a questão do Mercosul, ou até acordos bilaterais, nos dificulta com a divulgação destes dados. Temos que ter responsabilidade”, declarou o presidente nesta segunda-feira a repórteres após participar de um almoço com oficiais da Aeronáutica, em Brasília.
No sábado (20), Osório Galvão negou as acusações de Bolsonaro e reafirmou a veracidade dos dados sobre desmatamento.
Em nota, o Inpe afirmou que sua política de transparência permite o acesso completo aos dados e acrescentou que a metodologia do instituto é reconhecida internacionalmente.