Barril de petróleo Brent passa de US$ 72 e atinge máxima no ano


Mercados reagem a dados do PIB chinês e redução de estoques nos EUA. Campo de petróleo em Vaudoy-en-Brie, na França
Christian Hartmann/Reuters
Os contratos futuros do petróleo Brent tocaram máxima de 2019 nesta quarta-feira (17), acima de US$ 72 por barril, impulsionados pelo crescimento econômico estável na China e pela queda nos estoques norte-americanos, que desafiaram as expectativas e sinalizaram uma demanda firme, enquanto a oferta global permanece apertada.
Por volta das 11h23, entretanto, o petróleo Brent recuava 0,02 dólar, ou 0,03%, a US$ 71,7 por barril, às 11h23 (horário de Brasília). Pela manhã, atingiu máxima intradiária de US$ 72,27 por barril.
O petróleo dos Estados Unidos avançava 0,01 dólar, ou 0,02%, a US$ 64,06 por barril. O contrato tocou máxima de 2019 na semana passada, a US$ 64,79.
A economia da China cresceu 6,4% no primeiro trimestre, mostraram dados oficiais, desafiando expectativas de uma desaceleração maior.
A produção de refinarias na China – o segundo maior consumidor de petróleo bruto do mundo – subiu 3,2% em março em relação ao ano anterior.
“O lado da demanda da equação recebeu um impulso substancial através dos dados da China de hoje, sugerindo que os preços continuarão a subir apoiados na melhora do crescimento global e no sentimento de risco”, disse Stephen Innes, diretor de operações da SPI Asset Management.
Os preços têm sido impulsionados este ano por um acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, incluindo a Rússia, para limitar sua produção de petróleo em 1,2 milhão de barris por dia. A pressão sobre a oferta global foi reforçada pelas sanções dos EUA aos membros da Opep Venezuela e Irã.
Uma queda inesperada nos estoques de petróleo dos EUA também apoiava os preços do petróleo. Os estoques caíram 3,1 milhões de barris na semana encerrada em 12 de abril, segundo dados do Instituto Americano de Petróleo. Dados oficiais do governo norte-americano sobre os estoques serão divulgados nesta quarta-feira.