Bárbara Paz diz ter se descoberto como pessoa não binária


‘Amigo meu falou que eu era, e eu acreditei, entendi’, afirmou a atriz e diretora em entrevista ao podcast ‘Almasculina’, de Paulo Azevedo. Bárbara Paz foi ao Lollapalooza 2018
Celso Tavares/G1
Bárbara Paz disse ter se descoberto uma pessoa não binária, ou seja, não se vê nem como homem nem como mulher.
A atriz fez a afirmação durante entrevista ao podcast “Almasculina” logo após Paulo Azevedo questionar como ela gostaria de ser apresentada ao público no programa.
“Sou uma pessoa inquieta. Uma mulher, um homem, não-binária. Descobri que sou não-binária há pouco tempo. Um amigo meu falou que eu era, e eu acreditei, entendi”, afirmou a atriz e diretora.
“Sou uma pensadora, uma diretora, uma cineasta, uma atriz, uma pintora, uma escritora. Nas horas vagas a gente tenta tudo com as mãos, com a cabeça, com o cérebro e com a imaginação. A imaginação precisa estar trabalhando o tempo todo. Então, não sei bem quem eu sou. Se você tiver alguma referência para me dizer quem eu sou, ainda estou em busca. Sou muitas coisas. Sou muitos, muitos, muitas. É difícil dizer quem você é para se apresentar. Sou uma pessoa de fazer o que tenho dentro, o que não é pouco. Arte”, seguiu.
“Eu fui o homem da casa. Mesmo sendo criança, eu me sentia responsável por aquilo tudo. Sentia que tinha que cuidar da casa”, afirmou a atriz, que perdeu a mãe aos 17 anos.
Leia também: Em ‘Babenco’, Bárbara Paz se despede do cineasta, mas celebra o amor: ‘É um filme sobre vida’
Bárbara ainda relembrou sua infância e disse que começou a trabalhar aos 9 anos de idade, três anos após a morte do pai, de quem diz se lembrar apenas através de histórias que a contavam.
“Sempre fui muito guri. Sempre tive cabelo curto, fui muito magra, não tinha tênis, eu tinha um kichute. Usava um meião. E eu tinha que usar, pra agradar minha mãe, um vestidinho sempre. Só que eu detestava. Sempre quis agradar muito minha mãe. Então eu era metade menino, metade menina.”
A atriz, que foi casada com o cineasta Hector Babenco, morto em 2016, conta que tudo que aprendeu sobre sexualidade foi através de leituras.
“Nunca questionei sobre isso, se é homem, mulher, do que você gosta. Nunca questionei sobre isso. Pra mim, você gosta de pessoas.”
Bárbara Paz fala sobre documentário ‘Babenco’