Autora conta como a DC decidiu fazer HQ em que o 3º Robin assume ser bissexual


‘Esta parecia ser a peça que faltava para se entender a história de Tim Drake’, diz Meghan Fitzmartin sobre HQ de ‘Batman’ em que o personagem que encarna Robin aceita encontro com amigo. Robin e Bernard Dowd em momento da sexta edição de ‘Batman: Urban Legends’
Reprodução/DC Comics
A dupla dinâmica Batman e Robin está ocupada combatendo o crime junta há anos, mas agora o foco da história se volta para a vida pessoal de Robin à medida que ele explora sua sexualidade.
Na edição mais recente da série da DC Comics “Batman: Urban Legends”, o personagem Tim Drake, que é a terceira versão de Robin, é visto aceitando um convite para um encontro com um amigo e assume ser bissexual.
“Houve muita conversa sobre ele ter uma ‘codificação queer’ ou não ao longo do tempo, e esta parecia ser a peça que faltava para se entender a história de Tim Drake”, escreveu a autora Meghan Fitzmartin.
Robin surgiu como parceiro de Batman em 1940, e desde então apareceu em muitas revistas de quadrinhos que retratam o Universo DC.
Fitzmartin disse que está muito feliz de a DC estar animada a ampliar sua história pessoal e que não existe um rótulo para a sexualidade do personagem.
“Acho que, para Tim, ele ainda a está descobrindo… tipo ‘Puxa, isto é algo que eu não esperava e gostaria de investigar mais’, porque é isso que ele é como pessoa”.
Fitzmartin disse que não se deu conta do impacto que a trama teria, e que espera que ela esclareça que “há pessoas que são questionadoras e ‘queer’ e em vários estágios de compreender sua própria sexualidade”.
Semana Pop fala sobre principais estreias nos cinemas no 2º semestre de 2021