Atos reúnem manifestantes em todas as capitais contra cortes

Manifestação na Avenida Paulista

Manifestação na Avenida Paulista
Edu Garcia/R7 – 15.5.2019

As manifestações contra o bloqueio de bolsas de pesquisa e o corte de 30% dos recursos das universidade federais foram registradas em 170 cidades, incluindo as capitais de todos os Estados e o Distrito Federal, além de cidades do interior. Parte das escolas e universidades das redes pública e privada também aderiu às manifestações e cancelaram o dia letivo.

Enquanto estudantes, professores e sindicalistas protestavam nas ruas, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, participava de uma audiência no pelnário da Câmara, convocada pelos deputados, para explicar os cortes de verbas.

Em São Paulo, pelo menos 31 entidades ligadas à educação se juntaram no vão livre do MASP (Museu de Arte de São Paulo), na região central da cidade, para expressarem o descontentamento com a medida tomada pela gestão de Jair Bolsonaro (PSL). Até às 18h, não havia sido registrado nenhum incidente. A PM não informou o número de participantes. 

Leia mais: Em Dallas, Bolsonaro critica estudantes: “idiotas úteis”

Engajados em um movimento que confronta os bolsonaristas, o grupo de estudantes reinterpretou a palavra balbúrdia, usada pelo ministro para justificar os bloqueios. Estudantes gritavam “não estamos fazendo balbúrdia e, sim, ciência”. Frases como “corte na educação, não” e “fora, Bolsonaro” também foram ditas.

Marcela Petels, de 30 anos, compareceu ao protesto acompanhada de seus dois filhos. Um deles, de sete anos, estuda na escola Municipal Amorim Lima, no Butantã, na zona oeste da capital paulista. “É importante estar aqui, porque o que esta acontecendo não é o correto”, disse ela, que atua como psicóloga e professora.

Enquanto concede entrevista ao R7, seus olhos não saem do radar de seus pequenos, que juntos com demais crianças formaram um círculo, sentados, em frente ao Parque de Trianon. Quem pensa que os pequenos estão alheios ao protesto, se enganou. “A gente ensina para eles, de um jeito e linguagem que eles aprendem, sobre o grave corte que ocorreu”, explicou Petels.

As crianças fizeram desenhos, todos voltados a área educacional. Atitude que é aprovada pelo professor universitário Maurício Guimarães, de 38 anos. O filho dele, presente na manifestação, estuda na creche da USP (Universidade de São Paulo), afetada pelo corte federal. “Estamos em um momento em que o governo não dá importância pra área, e é preciso estarmos todos reunidos, desde crianças a adultos, pois todos iremos sofrer”, comentou.

Também com o filho presente no protesto, o pesquisador e arquiteto Francisco Barros denúncia o próprio medo. “A minha profissão é pesquisar e eu vivo disso. Mas, agora, o medo domina. Não sei se vai renovar ou cancelar a minha bolsa. E aí como eu vou fazer? Dá medo”, diz. “É toda essa preocupação, de certa forma, a gente tenta ensinar os filhos. Mostrar que a atitude tomada pelo governo não e benéfica, pra ninguém.”

A manifestação, que começou às 14h desta quarta-feira, continuava até às 18h, quando os estudantes se dirigiam à Avenida Brigadeiro Luís Antônio.