Ator diz que Marielle foi “cadáver fabricado” e critica excesso de trans

carlos vereza

carlos vereza
Reprodução/Youtube

Ainda repercute a entrevista dada pelo ator Carlos Vereza ao jornal “O Povo” no domingo. O ator, que chegou a ser preso durante o regime militar em razão da sua militância no Partido Comunista, disse que Marielle Franco é um “cadáver fabricado” pela ideologia radical de esquerda. Ao final da entrevista, ele xingou o repórter.

Veja abaixo partes da entrevista de Vereza ao jornal.

OP – O senhor costuma criticar publicamente a permanência dos gritos de “fora, Temer”. Por quê?

Vereza – “Fora, Temer” é de uma pobreza ideológica, eu não votei nele, por isso eu estou muito tranquilo de falar. O “fora, Temer” é ausência de um discurso que seja uma alternativa. Eu estudo filosofia e trabalho muito com fatos… Isso é fato como essa cadeira é uma cadeira, você é um homem, ela é uma moça e está tirando fotos de mim (dirigindo à fotógrafa Tatiana Fortes).

O Temer tirou o Brasil do abismo, ele está recuperando a economia do País, a inflação está lá embaixo, batendo recordes históricos. Isso é o cara que fez, não é o Vereza que está dizendo. São organismos nacionais e internacionais que comprovam isso. A Petrobras está se recuperando, de 14 milhões, ele conseguiu recuperar 1 milhão de vagas, isso é o IBGE, a Fundação Getúlio Vargas, o Valor Econômico que diz.

“Fora, Temer” é criança zangada que tiraram a chupeta. Qualquer coisa é “Fora, Temer”. Vai colocar quem? Rodrigo Maia? O Eunício Oliveira, que está aí com o maior escândalo em cima dele? Ao invés de “fora, Temer”, diga assim: eu proponho que a reforma agrária seja feita definitivamente, que o Movimento Sem Terra deixe de ser um grupo terrorista e passe a ser um movimento que lute realmente por terra. Eu não sou esquerda nem de direita, mas isso são fatos. Eles não tiveram terra esse tempo todo e não reclamaram com o PT, por quê? Porque é uma organização paramilitar, terrorista, estão aí fechando estrada, queimando pneu, estão lá em Curitiba fazendo necessidade na calçada das casas dos moradores, que não têm nada a ver. São fatos. Estão radicalizando a tal ponto como se quisessem fabricar mais um cadáver, além da Marielle… Marielle é um cadáver fabricado por eles…

OP – Eles quem? 

Vereza – A ideologia radical sectária de esquerda. Eu tenho certeza, não tenho a menor dúvida, porque está havendo no Rio de Janeiro uma investigação (sobre a morte de Marielle) que já chegou a um ponto que, se eles mudarem a narrativa, vai ser uma decepção para muita gente. Por que a Marielle teve quarenta votos na Maré se ela era uma líder comunitária? (A vereadora recebeu 1.688 votos, na verdade).

Acho que a investigação tinha de começar pela Maré. Ela teve votos no Leblon, no Jardim Botânico e na Gávea, só a classe média de Iphone 10. Essa menina ou foi assassinada pela milícia ou foi assassinada por pessoas que aparentemente compactuam com a ideologia dela. Eles não acreditam em Deus, eles acham que as pessoas todas não passam de massas de manobras adaptáveis ou não aos seus objetivos.  O cara que acredita que a vida continua após a morte, se ele fizer uma besteira, ele sabe que tem a lei de causa e efeito, que, aliás, nem é nem religioso, é matemática. A lei de causa e efeito reordena o universo, se não a gente não estaria conversando aqui, o planeta não estaria dando voltas sobre si mesmo.

Deus é um matemático emocionado. A grande ciência é a matemática. Eles não acreditam nisso, eles acham que a gente é obra do acaso, que foi uma amebazinha que nasceu da lama e depois ela deu um pulinho pra terra. Aí virou mineral, animal, vegetal até virar ser humano. A gente sabe que há um plano construindo a nossa história, um plano divino. Eles não acreditam nisso. Então, ele está do meu lado agora e depois não está mais.

OP – Recentemente o senhor se envolveu em polêmica ao publicar no Facebook que uma escola supostamente estaria obrigando os alunos homens a usarem batom…

Vereza – Supostamente não. Foi o colégio Pinheiro Guimarães (no Rio). Eu afirmei: o colégio disse que se o aluno vier de saia e de batom, ele vai ter a nota aumentada. Eu reafirmei e estou esperando o processo até agora. Cadê o processo? Eu que não votei no Temer, fui ao Temer pedir para ele tirar a ideologia de gênero do Plano Nacional de Educação e ele tirou. É um absurdo você dizer que sexo é uma construção cultural.

Então você começa a atacar biologia, começa a atacar os códigos genéticos, que é XX e XY, agora estão inventando T, W,Z, A, E, I, O, U. Ou você é homem é ou é mulher. As pessoas têm suas opções sexuais respeitáveis, daí a você dizer que nasceu homem porque isso é uma construção cultural, isso é de um ridículo. Isso é um plano, cara, um plano sofisticadíssimo, porque quando você traumatiza uma criança, você vai ter lá frente um adulto manipulado politicamente. Até sete anos a criança é mais espírito do que matéria, ela não pode ser traumatizada.

OP – Mas e se uma pessoa adulta não se identifica com o gênero que nasceu?

Vereza – Sabe qual é a estatística de trans? Um em 100 mil. Agora, todo mundo é trans, só que eles não estão divulgando as pessoas que estão arrependidas, que estão querendo recuperar e não conseguem, porque não tem mais jeito. Não tem como recuperar. Todo mundo é trans, isso é uma novidade.  Na minha época, você tinha um trans a cada 15 anos, agora a cada dia da semana todo mundo virou trans e vai para o Paraguai operar, aí depois se arrepende porque o DNA não muda, o DNA do trans é do gênero que ele nasceu. (Vira-se agressivo para o repórter) Eu sei que eu não estou te agradando, você é petista, porque eu sou médium e eu estou vendo no teu perispírito que você é petista.

Powered by WPeMatico