Área ocupada por mineração no Brasil cresceu mais de 564% em três décadas e meia, aponta levantamento


Estudo do MapBiomas também revela que Amazônia abriga 72,5% da área minerada em 2020 e que garimpo no país já é maior que mineração industrial. Na mineração do ouro, o garimpo usa mercúrio, substância que acaba gerando graves danos ambientais
Chico Batata/Greenpeace
A área minerada no Brasil saltou de 31 mil hectares em 1985 para 206 mil hectares em 2020, um aumento de mais de 564% ou de seis vezes o tamanho de 35 anos atrás. Os dados são de um levantamento da organização MapBiomas com base em imagens de satélites e em inteligência artificial publicado nesta segunda-feira (30).
Em resumo, o estudo do MapBiomas também revela que:
A área ocupada pelo garimpo no Brasil já é maior que a ocupada por mineração;
Três de cada quatro hectares minerados (mineração Industrial e garimpo) no Brasil estavam na Amazônia em 2020, ou 72,5 % de toda a área minerada;
Os estados com as maiores áreas mineradas são Pará (110.209 ha), Minas Gerais (33.432 ha) e Mato Grosso (25.495 ha);
Em terras indígenas, a área ocupada pelo garimpo cresceu 495% entre 2010 e 2020;
Em unidades de conservação, a área ocupada pelo garimpo cresceu 301% de 2010 a 2020;
A Amazônia concentra 93% de todo o garimpo realizado no Brasil
A quase totalidade, ou 93,7%, do garimpo do Brasil está na Amazônia, segundo o MapBiomas. No caso da mineração industrial, o bioma responde por praticamente a metade (49,2%) da área ocupada pela atividade.
Outro alerta do levantamento mostra que enquanto a expansão da mineração industrial se deu em um ritmo constante, de 2,2 mil hectares por ano e sem grandes variações entre 1985 e 2020, o garimpo deu um salto na década passada: se de 1985 a 2009 o ritmo de crescimento da garimpagem pelo país era baixo, em torno de 1,5 mil hectares por ano, a partir de 2010 a taxa de expansão quadruplicou para 6,5 mil hectares por ano.
Com isso, em 2020, as imagens de satélite mostram que a área ocupada pelo garimpo (107,8 mil hectares) já é maior que a da mineração (98,3 mil hectares) no território nacional.
Veja também:
Desmatamento por mineração na Amazônia bate recorde em 2021; área devastada até agosto já supera todo o ano de 2020
Terras indígenas são as áreas mais preservadas do Brasil nos últimos 35 anos
Brasil perdeu 15% dos seus recursos hídricos em 30 anos, uma perda de quase o dobro da superfície de água de todo o Nordeste
Um levantamento do G1 com base em dados do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostra que o desmatamento por mineração na Amazônia entre janeiro e 13 de agosto de 2021 é o maior já registrado no período e área já supera o registrado nos 12 meses de 2020.
Vale a pena destacar que o garimpo é a extração de minérios predatória e ilegal, geralmente relacionada ao ouro e não à indústria. Já a mineração está relacionada à atividade industrial e a produção de ferro e alumínio, podendo ser legal (quando tem autorização da Agencia Nacional de Mineração) ou ilegal.
“Os produtos da Mineração são fundamentais para o desenvolvimento de uma economia de baixo carbono. Esperamos que estes dados contribuam para a definição de estratégias para acabar com as atividades ilegais e estabelecer uma mineração em bases sustentáveis respeitando as áreas protegidas e o direito dos povos indígenas e atendendo os mais elevados padrões de cuidado com a biodiversidade, solo e a água” afirma Tasso Azevedo, Coordenador Geral do MapBiomas.
Toneladas de mercúrio entram clandestinamente no país para abastecer garimpo de ouro
Avanço do garimpo
O levantamento alerta que o crescimento do garimpo se dá, principalmente, em áreas protegidas e de conservação ambiental: em 2020, metade da área nacional do garimpo estava em unidades de conservação (40,7%) ou terras indígenas (9,3%).
As terras indígenas Kayapó (7.602 ha) e Munduruku (1.592 ha), no Pará, e Yanomami (414 ha), no Amazonas e Roraima, são os três territórios indígenas mais afetados pelo garimpo, segundo o MapBiomas.
O Pará também concentra 8 das dez unidades de conservação com maior atividade garimpeira do país, sendo as três maiores: a Área de Proteção Ambiental do Tapajós (34.740 ha), a Flona do Amaná (4.150 ha) e o Parna do Rio Novo (1.752 ha).
Quando as imagens são analisadas por municípios, os dados revelam que o garimpo no Brasil se concentra principalmente entre o sul do Pará e o norte do Mato Grosso, nas cidades de Itaituba, Jacareacanga e Peixoto de Azevedo.