Após um ano de pandemia, março tem um milhão de livros vendidos a mais que mesmo período de 2020


Mercado de livros faturou R$165 milhões em um mês. Valor representa crescimento de 28,46% em relação a março do ano passado, quando a quarentena começou no Brasil. Livraria Taverna, em Porto Alegre está fazendo vendas online durante pandemia do coronavírus
André Günther/Divulgação
O mercado de livros teve, em março, aumento de 38,8% no volume de vendas em relação ao mesmo período do ano passado. Isso significa que as livrarias venderam, neste ano, um milhão de livros a mais que em 2020.
Com 3,91 milhões de obras vendidas, o mercado faturou R$165 milhões – o que representa crescimento de 28,46% em relação a março passado.
Entenda: Como proposta de reforma tributária pode encarecer livros
Leia também: Como é formado o preço do livro no Brasil
Este é o primeiro comparativo que analisa dois meses de pandemia no país e consegue captar os efeitos reais sobre o setor. Os dados são do Painel do Varejo de Livros no Brasil, levantamento realizado pela Nielsen Book e Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel).
O preço médio do livro diminuiu mais de R$ 3: passou de R$ 45,56 em 2020 para R$ 42,29 em 2021. Os livros infantis e educacionais tiveram a maior queda de valor e passaram a custar, em média, R$ 10 a menos.
Os livros mais vendidos neste período foram os de não ficção especialista, seguidos por não ficção trade e infantil, juvenil e educacional. Os livros de ficção foram os menos vendidos do período.
Divulgado mês a mês, o estudo é feito pela Nielsen e apresentado pelo Snel. A pesquisa baseia-se no resultado da Nielsen BookScan, que verifica as vendas em livrarias, varejistas e e-commerce.
O que compõe o preço médio de um livro no Brasil
Arte/G1