Após ser preso novamente, Carlos Ghosn afirma ser inocente e pede ajuda da França


Ex-presidente da Nissan estava solto sob fiança no Japão. Ele é acusado de diversas fraudes financeiras para enriquecimento ilícito. Ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn é preso novamente no Japão
O brasileiro Carlos Ghosn foi preso novamente nesta quinta-feira (4) devido a novas acusações de de má conduta financeira para se enriquecer à custa da Nissan, em outra ação da Justiça japonesa que seus advogados disseram ser uma tentativa de silenciá-lo.
A prisão, que especialistas jurídicos sem relação com o caso descreveram como muito rara para alguém já solto sob fiança, faz parte da quarta acusação obtida pelos procuradores contra o executivo, em um escândalo que abalou a indústria automotiva global e provocou questionamentos sobre o sistema judicial do Japão.
Procuradores de Tóquio disseram que Ghosn deu US$ 5 milhões de prejuízo à Nissan durante um período de dois anos e meio que se estendeu até julho de 2018, violando sua obrigações legais com a empresa e visando o ganho pessoal.
A agência de notícias Kyodo relatou que o prejuízo envolve a transferência de fundos por meio de uma empresa de Omã para a conta de uma empresa que, na prática, é de posse de Ghosn. A agência não citou nenhuma fonte.
Carlos Ghosn no dia em que foi libertado sob fiança, em fevereiro passado, em Tóquio
Issei Kato/Reuters
Ajuda da França
Ghosn, que tem cidadania francesa, libanesa e brasileira, pediu ajuda do governo da França.
“Sou inocente”, afirmou Ghosn em uma entrevista exibida nesta quinta-feira nas emissoras de televisão francesas TF1 e LCI. “Peço que o governo francês me defenda, e defenda meus direitos como cidadão”.
Não ficou claro onde a entrevista foi gravada. O ministro das Finanças francês disse que Ghosn precisa usufruir da presunção de inocência e que está recebendo proteção consular.
O principal advogado do executivo, Junichiro Hironaka, disse que os procuradores querem silenciar Ghosn, que na quarta-feira tuitou planos de realizar sua primeira coletiva de imprensa no dia 11 de abril.
“A intenção dos procuradores é pressionar Ghosn, e impedi-lo de falar livremente”, argumentou Hironaka, acrescentando que o acesso ao que viram como indícios adicionais também foi um motivo provável para a nova prisão.
A acusação adicional provavelmente prolongará o julgamento de Ghosn, que deve começar no final deste ano, disse Hironaka, para quem a falta de acesso a documentos relacionados ao julgamento pode criar uma desvantagem para seu cliente na contestação do caso.
Procuradores confiscaram o celular, documentos, cadernos e diários de Ghosn, disse ele, além do celular e do passaporte de sua esposa.