Após 10 anos, Amazon promete iniciar entregas por drones ainda em 2022 nos EUA; entenda como será


Empresa afirmou que o serviço começará em uma pequena cidade da Califórnia; ainda são esperadas autorizações finais. Amazon diz que entregas por drones começam neste ano na Califórnia, Estados Unidos
Divulgação/Amazon
A Amazon afirmou na última segunda-feira (6) que a empresa realizará ainda este ano, nos Estados Unidos, suas primeiras entregas por drones — as aeronaves não tripuladas e controladas remotamente. O feito ocorre após quase 10 anos de testes e aprimoramentos pela gigante de compras online (veja mais abaixo).
Os clientes da pequena cidade de Lockeford, na Califórnia, serão os primeiros a receberem os pacotes por via aérea. Mas, apesar desse tipo de serviço ser inédito pela Amazon, ele já é feito por outras empresas no Estados Unidos, como Walmart , e também é realidade há anos na China.
“É relativamente fácil usar a tecnologia existente para transportar uma carga útil leve a uma curta distância que esteja dentro de sua linha de visão, mas é um desafio muito diferente construir uma rede que possa entregar aos clientes em grandes comunidades. Nossas equipes têm trabalhado duro para fazer exatamente isso – e ainda este ano”, afirmou em nota.
Amazon recebeu autorização para testar entregas por drones em 2020
Drones não deixarão uma pizza na sua casa, mas devem revolucionar as entregas
De acordo com a Amazon, ainda não há uma data definida, mas a empresa está trabalhando com a Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês) e autoridades da cidade para obter as licenças até o final de 2022.
Ainda não há estimativa para quando o serviço será ampliado em outras cidades dos Estados Unidos e mais países.
Drone da Amazon
Divulgação/Amazon
Como serão as entregas?
Os drones terão a capacidade de voar além da linha de visão e todos serão programados para deixar as encomendas nos quintais, ressalta a Amazon.
“Os clientes farão um pedido como fariam normalmente e terão uma hora estimada de chegada com um rastreador de status para seu pedido. Para essas entregas, o drone voará para o local de entrega designado, descerá até o quintal do cliente e pairará a uma altura segura. Ele então liberará o pacote e subirá de volta à altitude”, explica a empresa.
Amazon espera entregar produtos por drones este ano nos Estados Unidos
Divulgação/Amazon
A pequena cidade de 4 mil habitantes foi escolhida para ser a primeira por ter ligações históricas com a indústria da aviação, de acordo com a Amazon.
“A comunidade ostenta um dos pioneiros da aviação – Weldon B. Cooke, que construiu e pilotou os primeiros aviões no início de 1900 – como ex-residente. Agora, mais de um século depois, os moradores terão a oportunidade de se inscrever para entrega gratuita por drones em milhares de itens do dia a dia”, afirmou.
Sistema de detecção
Prime Air, drone da Amazon para realizar entregas de produtos.
Divulgação/Amazon
A Amazon afirma ainda que criou um sistema de detecção e prevenção sofisticado que permitirá operações sem observadores visuais e a distâncias maiores, evitando outras aeronaves, pessoas, animais de estimação e obstáculos.
“Projetamos para dois cenários principais: estar seguro quando em trânsito e estar seguro ao se aproximar do solo. Ao voar para o local de entrega, os drones precisam ser capazes de identificar obstáculos estáticos e em movimento. Nossos algoritmos usam um conjunto diversificado de tecnologias para detecção de objetos”, explica a empresa.
“Usando este sistema, nosso drone pode identificar um objeto estático em seu caminho, como uma chaminé. Ele também pode detectar objetos em movimento no horizonte, como outras aeronaves, mesmo quando é difícil para as pessoas vê-los. Se forem identificados obstáculos, nosso drone mudará automaticamente o curso para evitá-los com segurança”.
Quase uma década de testes
Drone Prime Air
Divulgação/Amazon
A gigante das compras online vem trabalhando nos testes de entregas por drones há quase 10 anos. As aeronaves chegaram a ter atrasos por obstáculos regulatórios.
Em dezembro de 2013, por exemplo, o CEO e fundador da Amazon, Jeff Bezos, disse em uma entrevista à TV que os drones estariam voando para as casas dos clientes em cinco anos, ou seja, em 2018.
Em 2019, ainda sem entregas por drones, um executivo disse que aconteceria “dentro de alguns meses”.
Em 2020, a Prime Air se tornou uma das três únicas empresas de entrega de drones que passaram pelo processo rigoroso para obter um certificado de transportadora aérea da FAA, que será necessário para operar drones usando recursos avançados.