Ano letivo em oito escolas públicas do Amapá está atrasado por causa de reformas


Aulas na rede estadual de ensino iniciaram em fevereiro, mas nas instituições que passam por manutenção ou obras, a previsão é de que estudos iniciem em abril ou maio, informou Seed. Na Irineu da Gama Paes, em Macapá, previsão de início das aulas é para 2 de abril
Rita Torrinha/G1
O ano letivo na rede estadual de ensino iniciou no dia 19 de fevereiro. No entanto, em pelo menos oito escolas as aulas só iniciarão em abril ou maio. O motivo é que os prédios estão sendo recuperados ou reformados, informou a Secretaria de Estado da Educação (Seed) do Amapá.
Na escola Santa Maria, por exemplo, as aulas devem iniciar somente em maio. A instituição funcionava no bairro Cabralzinho e teve que ser mudada este ano para o Marabaixo, Zona Oeste de Macapá. A Seed chegou a garantir que faria a manutenção do local na primeira semana de fevereiro, para que as aulas começassem em março, sem prejuízo ao calendário escolar.
Na época, os pais se mostraram contrariados, como Márcia Rafaela Silva, que depois de mais de um mês, diz continuar sem expectativa de ver o filho começar os estudos.
“São muitas crianças sem a perspectiva para o início das aulas. Fui atrás de outras duas escolas próximas do Marabaixo, mas estão lotadas. Meu filho vive perguntando quando vai estudar, porque ele vê os dois irmãos saindo todos os dias para a escola”, disse.
Prédio no bairro Marabaixo, onde funcionará a Escola Santa Maria. Aulas estão previstas para maio
Márcia Rafaela Silva/ Arquivo Pessoal
Além da Santa Maria, a Seed informou que as aulas ainda não iniciaram nas escolas Lauro Chaves, Irineu da Gama Paes e Maria Cavalcante de Azevedo Picanço, em Macapá. Também na Joaquim Nabuco, em Oiapoque; Vidal de Negreiros, em Amapá; e nas escolas Foz do Rio Matapi e José de Ribamar Pestana, localizadas em Santana.
“Foi algo necessário para que os alunos pudessem ter um ambiente melhor para começar o ano letivo e sem interrupção. Tinha que ser feito. O processo licitatório para manutenção predial foi feito no ano passado, mas o contrato foi assinado somente no final de fevereiro. Então as empresas entraram em campo em março”, explicou a secretária-adjunta Keule Baia.
Em 2017, a cobertura da quadra da Escola Maria Cavalcante de Azevedo Picanço desabou. Escola também passa por reformas
Fernando Souza/Arquivo Pessoal
Em todas elas, a gestora garante que as equipes pedagógicas vão montar estratégias de recuperação de carga horária, para que os estudantes não fiquem prejudicados. Porém, o ano letivo está previsto para finalizar um ou dois meses após o cronograma normal.
Na Zona Norte, a Escola Maria Cavalcante, no bairro Brasil Novo, é a que apresenta estrutura mais prejudicada, segundo Keule Baia.
“Houve o desabamento da cobertura da quadra, em 2017, mas a Seinf [Secretaria de Infraestrutura] já está licitando. Ela precisa de manutenção completa, no parque elétrico, forro, falta telhado, esquadrias, instalações hidrossanitárias e cozinha. As aulas devem iniciar em maio também”, falou a secretária.
A rede estadual é formada por 405 escolas. Ainda segundo a gestora, o governo do estado está realizando reformas em prédios nos 16 municípios. Tambem estão sendo instaladas centrais de ar em quase todas e ventiladores naquelas cuja rede elétrica não suporta o aparelho, como nas da zona rural.
Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o Tô Na Rede!

Powered by WPeMatico