‘Amor e Sorte’ traz histórias de relacionamentos durante isolamento e homenagem a Fernanda Young


Lázaro Ramos e Taís Araujo, Caio Blat e Luisa Arraes, Emilio Dantas e Fabiula Nascimento e Fernanda Montenegro e Fernanda Torres são as duplas responsáveis por contar histórias da quarentena em nova série da Globo. Em “Amor e Sorte”, Tais Araujo e Lazaro Ramos são Tabata e Cadu
Divulgação/Globo
“Amor e Sorte”, série prevista para estrear na Globo em setembro, vai retratar um pouco dos relacionamentos durante o período de isolamento social.
“A situação-limite que estamos vivendo, confinados, em convivência forçada, amplifica todos os princípios da relação. Casamentos, amizades e parcerias são colocados à prova numa quarentena e podem sobreviver, mais fortes, ou sucumbir”, comenta Jorge Furtado, supervisor de texto da série.
O projeto traz quatro episódios contados por estrelas que vivem um relacionamento real, mas em textos fictícios:
Lázaro Ramos e Taís Araujo retratam um casal confinado que, ao divergir sobre uma questão ideológica, chega a uma grande discussão matrimonial turbinada pelos nervos à flor da pele. O episódio é assinado por Alexandre Machado
Caio Blat e Luisa Arraes protagonizam texto assinado por eles em parceria com Jorge Furtado. O episódio fala sobre um relacionamento que começa exatamente quando as pessoas precisam entrar em confinamento
Emilio Dantas e Fabiula Nascimento contam a história de um casal que caminha para o divórcio quando o isolamento começa. O texto é assinado por Jô Abdu e Adriana Falcão
Fernanda Montenegro e Fernanda Torres interpretam mãe e filha que precisam lidar com o isolamento e seus fantasmas do passado. O texto é de Antônio Prata, Chico Mattoso, Fernanda Torres e Jorge Furtado. Outros membros da família entram no projeto deste episódio, que foi captado na região serrana do Rio de Janeiro, onde a família passa o período da quarentena. Andrucha Waddington, marido de Fernanda, assina a direção artística e conduz as gravações ao lado dos filhos, Pedro e Joaquim, e do diretor de fotografia João Faissal.
Com exceção do episódio da família Torres, os outros três foram gravados pelos próprios protagonistas. Os casais operaram os kits individuais de equipamento e foram dirigidos à distância por Patricia Pedrosa.
“Ninguém entra na casa deles. Deixamos a câmera, o equipamento de som, de luz, os figurinos, os materiais de arte, enfim, tudo que precisamos num set de filmagem, na porta da casa deles. Eles recebem todo esse material higienizado, montam e operam os equipamentos sozinhos, apenas com nosso direcionamento virtual”, explica Patrícia.
Homenagem a Fernanda Young
Escrito por Alexandre Machado, marido de Fernanda Young, o episódio com Lázaro Ramos e Taís Araujo traz uma homenagem à atriz, escritora e roteirista que morreu em agosto de 2019, aos 49 anos.
“Escrevi o texto para ela”, conta Alexandre.
“Conhecer Fernanda foi a melhor coisa da minha vida. Em todos os sentidos. Amorosamente, profissionalmente, espiritualmente, existencialmente. Ninguém aproveitou mais a Fernanda do que eu, foram 25 anos casados, muita sorte, realmente. Eu não seria 10% do que sou se não fosse por ela.”
“Na verdade, não estaria nem vivo se não fosse por ela. Não teria esses quatro filhos, que hoje são tudo para mim. Mas não foi apenas sorte, porque nós dois nos dedicamos a ter um projeto de vida que foi muito além de marido e mulher. Foi não, continua sendo, pois ainda continuo no mesmo projeto traçado por ela. E pretendo encontrar com ela em muitas outras encarnações.”
Taís Araújo e Lázaro Ramos apresentam peça teatral neste fim de semana em Salvador