Alunos e servidores da UFJF devem notificar sintomas de Covid-19 após retorno das aulas práticas presenciais dos cursos de saúde


A partir do monitoramento, ações rápidas para evitar o contágio nas turmas poderão ser tomadas. Na segunda-feira (5), estudantes de Medicina, Enfermagem e Odontologia voltaram com atividades em Juiz de Fora e Governador Valadares. Faculdade de Medicina da UFJF em Juiz de Fora
UFJF/Divulgação
Com o retorno das aulas práticas presenciais de alguns cursos de saúde na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), cerca de 1.500 alunos e servidores são monitorados pela instituição por causa da Covid-19. Com isso, estudantes e profissionais de educação que tiverem possíveis sintomas da doença devem notificar a situação em uma plataforma, a “Busco Saúde”.
A partir do monitoramento, os cursos poderão tomar ações rápidas para evitar o contágio do novo coronavírus nas turmas.
Como vai funcionar?
De acordo com a UFJF, um grupo de atendentes na Central de Atendimento ficará responsável pelo primeiro contato com os dados lançados no sistema do site. Além disso, dúvidas podem ser tiradas através dos contatos: (32) 2102-6342 (fixo e WhatsApp) e pelo e-mail buscosaude.cat@ufjf.edu.br.
“Temos hoje um conjunto de bolsistas da área da saúde, alunos da Medicina e Enfermagem, que estarão observando esses sinais de alerta. Caso algum usuário do sistema tenha suspeita ou confirmação de Covid-19, será possível monitorar e entrar em contato com essas pessoas”, explicou a professora do Departamento de Ciência da Computação, Priscila Capriles, uma das responsáveis pelo projeto.
Volta às aulas
Conforme a UFJF, alunos de Medicina e Enfermagem, do campus de Juiz de Fora, e de Odontologia, de Juiz de Fora e Governador Valadares, retornaram às aulas práticas na segunda-feira.
Leia mais:
Conselho Superior da UFJF mantém suspensão das atividades presenciais até o fim de agosto por causa da Covid-19
Disciplinas da área de saúde: Consu da UFJF aprova período suplementar híbrido de 10 semanas a partir de julho
Os estudantes seguirão um calendário suplementar, com 10 semanas de duração, e protocolos de biossegurança. Já para os outros cursos, as aulas continuam remotamente, a princípio, até agosto.
VÍDEOS: veja tudo sobre a Zona da Mata e Campo das Vertentes