Alunos e professores vacinados não precisam usar máscara nos EUA, definem autoridades de saúde


Vacinação avançada em grande parte dos EUA fez casos de Covid-19 despencarem no país, que agora vacina também adolescentes acima de 12 anos. Monitorar quem se vacinou ou não é desafio. Carteiras escolares com distanciamento na Pensilvânia, nos EUA, em foto de março de 2011
Matt Slocum/Arquivo/AP Photo
Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos determinou nesta sexta-feira (9) que não há necessidade de que alunos e professores usem máscaras dentro das escolas, desde que estejam vacinados contra o coronavírus.
As mudanças foram definidas em um momento em que jovens a partir de 12 anos podem se vacinar contra a Covid-19. Embora desigual, com alguns estados em melhor situação e outros menos, o ritmo da vacinação nos EUA derrubou os números da pandemia.
Desde maio, os EUA não obrigam mais o uso de máscaras por pessoas vacinadas na maioria dos ambientes. A imunização avançou muito rápido nos primeiros meses de 2021, mas o ritmo caiu nestas últimas semanas principalmente em estados com pessoas com menor escolaridade, temerosas em se vacinar. Entenda no VÍDEO abaixo.
Taxa de vacinação nos EUA varia entre estados
Desafio: como controlar?
A imunização, entretanto, não é obrigatória nem para alunos nem para professores. E não há uma diretriz que aponte como as escolas saberão se as pessoas estão vacinadas para isentá-las de usar máscaras.
Em entrevista à agência Associated Press, a professora Elizabeth Stuart, especialista em saúde pública da Universidade Johns Hopkins, mostrou preocupação com o funcionamento dessa dinâmica.
“Professores não deveriam ter que monitorar quais crianças devem usar máscaras”, criticou.