Alceu Valença apronta álbum em duo com o guitarrista Paulo Rafael


Disco é o terceiro do lote gravado pelo cantor na pandemia e reforça a conexão entre os artistas, iniciada em 1975 no festival ‘Abertura’. ♪ Ainda inédito, o terceiro dos quatro álbuns gravados por Alceu Valença nos últimos meses se diferencia do formato de voz e violão dos já lançados Sem pensar no amanhã (2021) e Saudade (2021).
Tal como os dois antecessores, Alceu canta somente com o toque de um instrumento. Só que, em vez de se acompanhar ao violão, como fez nos dois primeiros discos do lote, o artista pernambucano convidou o conterrâneo Paulo Rafael – guitarrista e produtor musical – para tocar nesse terceiro álbum.
O convite para o duo fonográfico resulta natural, já que Paulo Rafael é nome fundamental na construção da sonoridade elétrica e roqueira da obra de Alceu Valença, com quem o guitarrista trabalha regularmente há 46 anos, precisamente desde que acompanhou o cantor na defesa da música Vou danado pra catende (Alceu Valença, 1975) no festival Abertura (TV Globo, 1975).
Nascido em Caruaru (PE), Paulo Rafael toca guitarra ou viola (cada faixa tem somente um dos dois instrumentos) no próximo álbum de Alceu, com a autoridade de quem semeia a cultura do rock no sertão nordestino desde que entrou em cena na primeira metade dos anos 1970, no Recife (PE), como integrante da banda Ave Sangria.
A propósito, o quarto e último álbum do lote gravado por Alceu Valença versa sobre a cultura sertaneja, estando enraizado nas tradições musicais de São Bento do Una (PE), cidade onde o artista nasceu há 75 anos.