Álbum de Alaíde Costa com gravações dos anos 1970 tem violão e música inédita de Guinga


♪ Disco inédito de Alaíde Costa, gerado a partir de fita com gravações feitas pela cantora nos anos 1970 nos Estúdios Eldorado, na cidade de São Paulo (SP), o álbum Antes e depois chega ao mercado fonográfico no último trimestre deste ano de 2021 com música inédita de Guinga entre as 14 faixas.
Trata-se Mariana, parceria do compositor carioca com o letrista Márcio Ramos. Alaíde canta Mariana somente com o toque do violão de Guinga.
Quem identificou a presença de Guinga – a partir da notícia do projeto de lançar o álbum Antes e depois em outubro através de parceria das gravadoras Discobertas e Nova Estação – foi o músico José Luís de Souza, o Neco, pianista, arranjador e diretor musical d’A Peça, banda que acompanhava Alaíde Costa em 1972, ano em que foram gravadas seis das 14 músicas do disco.
Além de José Luís de Souza ao piano de Guinga ao violão, a banda A Peça era formada pelo baterista Edmundo Barcelos, pelo baixista Milton Botelho, pelo guitarrista Raimundo Nicioli e pelo flautista identificado como Kim.
Com esses seis músicos, Alaíde gravou em 1972 as músicas Antes e depois (Oscar Castro Neves, 1965), Nada será como antes (Milton Nascimento e Ronaldo Bastos, 1971), Serearei (Hermeto Pascoal, 1972), Diariamente (Paulo Cesar Girão e Gerson Nogueira) – música então inédita que a cantora lançaria em disco somente em 1975 – e Última (José Luís de Souza e Luiz Alfredo Millecco), além de Mariana.
Das sessões de estúdio de 1974, o álbum Antes e depois apresentará as gravações das músicas Atrás da porta (Francis Hime e Chico Buarque, 1972), Decaríssimo (Astor Piazzolla, 1962), Chega (Ivan Lins, 1974), Chinga chilinga (Ruben Rada, 1972), Fuga y misterio (Astor Piazzolla, 1968), Milagre dos peixes (Milton Nascimento e Fernando Brant, 1973), Noturno nº 0 (Sueli Costa e Tite de Lemos, inédita em 1974 e lançada por Sueli em 1975) e Viola violar (Milton Nascimento e Marcio Borges, 1973).
Os registros das 14 músicas foram encontradas em uma única fita de rolo pelo produtor Thiago Marques Luiz. Digitalizada e restaurada pelo engenheiro de som Anderson Cesarini, a fita deu origem ao álbum Antes e depois.