Alan Parker, diretor de ‘Expresso da Meia-Noite’, morre aos 76 anos


Segundo a imprensa internacional, Parker morreu na manhã desta sexta-feira (31), em Londres. Alan Parker, em foto de dezembro de 2004
Jack Guez/AFP/Arquivo
Alan Parker, diretor de “O Expresso da Meia-Noite”, “Mississipi em Chamas”, entre outras obras do cinema, morreu aos 76 anos.
Segundo a imprensa internacional, Parker morreu na manhã desta sexta-feira-feira (31), em Londres. O Instituto Britânico de Cinema (British Film Institute) confirmou a morte do diretor. Em comunicado, a família informou que Parker morreu após sofrer anos com uma doença, que não foi informada.
Nascido em Londres, na Inglaterra, Alan iniciou a carreira como redator publicitário, migrando para a direção de comerciais e iniciando seus trabalhos no cinema na década de 1970.
Alan ficou conhecido por seu trabalho em filmes como “Fama”, “A Chama que não Se Apaga”, “The Commitments – Loucos pela Fama” e “Bugsy Malone – Quando as Metralhadoras Cospem”, além do longa “Evita”, estrelado por Madonna.
Ao longo da carreira, o diretor foi indicado diversas vezes em prêmios como Oscar, Bafta e Globo de Ouro.
Em 1984, Parker foi homenageado pela Academia Britânica com prêmio Michael Balcon Award por sua contribuição ao cinema. Em 2013, foi novamente reconhecido por seu trabalho e recebeu o Bafta Fellowship, prêmio entregue pela Academia Britânica de Artes do Cinema e Televisão, em reconhecimento “à contribuição considerável e excepcional ao cinema”.
“Quando você faz seu primeiro filme, tem certeza que será o seu último. E então você aperta os olhos e de repente, quarenta anos depois, você está no Bafta ganhando um prêmio como este”, disse Parker em comunicado ao receber a honraria.
Casado com Lisa Moran-Parker, Parker deixa cinco filhos e sete netos.
Alan Parker posa com seu prêmio BAFTA, em Londres, foto de fevereiro de 2013
Carl Court/AFP/Arquivo