Águas Claras (MS) bate recorde de temperatura; onda de calor extremo atinge cidades de SP, aponta Inmet


Águas Claras chegou aos 44,6°C, mas já tinha marcado 44,4°C na semana passada. Inmet diz que novo recorde é igual ao já registrado em Bom Jesus do Piauí, maiores marcas desde 2006 no país. Uma nova onda de calor chega em São Paulo nesta segunda-feira (05), e deve permanecer até a próxima sexta-feira (09).
Aloisio Mauricio/FotoArena/Estadão Conteúdo
A cidade de Água Clara (MS) registrou nesta segunda-feira (5) o recorde de calor da atual onda de calor com 44,6°C, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A marca, segundo o Inmet, “entra para a história recente como a maior temperatura registrada no Brasil desde 2006”, empatando com registro anterior obtido em Bom Jesus do Piauí.
Outras cidades de Mato Grosso do Sul também registraram recordes e calor acima dos 40°C. Além de MS, o calor extremo também atingiu regiões do estado de São Paulo.
Outros marcos registrados nesta segunda, segundo o Inmet:
Campo Grande (MS) – novo recorde histórico com 41,0°C, superando os 40,8 °C registrados na quarta (30).
São Gabriel do Oeste (MS) – recorde com 42,3°C: maior desde 2007, anterior de domingo (4) com 41,3°C.
Coxim (MS) – 43,7°C, perto do recorde em 30/09 com 44,1°C.
Paranaíba (MS) – 43,6°C, novo recorde, maior na série desde 1971 (anterior era de 30/09 com 42,8°C).
Jales (SP) – 41,9°C, novo recorde já que supera os 41,7°C verificados no dia 30/09.
No estado de São Paulo, outros valores acima dos 41°C ocorreram em Votuporanga (41,8°C), em Ibitinga (41,2°C) e em Barretos (41,1°C).
Na capital paulista, a temperatura máxima desta segunda-feira (05) no Mirante de Santana foi de 35,9°C, valor registrado perto das 15h, 5° maior valor do histórico de 1943-2020 para um mês de outubro.
Bloqueio e previsão
Segundo o Inmet, a causa do calor extremo é um “bloqueio atmosférico que se instalou na área central do Brasil”. O calor continua intenso até a quinta-feira (08), mas o instituto diz que uma mudança gradual de padrão atmosférico ocorre a partir desta terça-feira.
“Embora o calor prossiga com força, ainda com potencial de recordes entre o centro-norte de SP e o nordeste do MS, gradual aumento de umidade, virá em parte através dos ventos de noroeste amazônicos que começam a ficar mais úmidos nesta época do ano, da brisa marítima que vem do Oceano Atlântico, de áreas de instabilidade e aproximação de frente fria do sul do País nos próximos dias”, explilca o Inmet.
“Chuva mais regular e mais generalizada é prevista a partir da próxima quinta-feira e sobretudo a partir da sexta-feira 09/10 quando o padrão de bloqueio atmosférico deve ser rompido e a umidade alcança também o centro e Sudeste do país”, informa o instituto.