A volta do osso humano que, segundo cientistas, tinha desaparecido com a evolução


A fabela estava presente em 11% da população mundial em 1918 e subiu para 39% em 2018; sua função ainda é um mistério para a ciência. A seta indica onde está a fabela, atrás do joelho
Imperial College London/Divulgação
Um pequeno osso no joelho que cientistas pensaram ter desaparecido com a evolução está voltando, segundo especialistas do Imperial College London.
A fabela é encontrada, em algumas pessoas, na área do tendão que fica atrás do joelho.
Os médicos acreditam que esse osso não tem uma função específica e que se pode tranquilamente viver sem ele.
Pessoas com artrite, contudo, parecem ter mais propensão a ter a fabela.
O que é?
Em termos médicos, a fabela é um osso sesamoide, o que significa que cresce no tendão de um músculo, assim como a rótula.
É muito comum?
Michael Berthaume e os colegas do departamento de bioengenharia do Imperial College London revisaram a literatura médica relacionada a joelhos em mais de 150 anos, em 27 países, inclusive no Reino Unido.
Entre 1918 a 2018, os relatos da presença da fabela no joelho cresceram de uma forma que indica que ele se tornou três vezes mais comum do que há 100 anos.
Segundo a análise dos cientistas, em 1918 a fabela estava presente em 11% da população mundial. Em 2018, essa proporção passou para 39%.
As estimativas dos pesquisadores foram feitas com base em exames médicos e resultados encontrados em publicações especializadas.
A fabela é encontrada atrás da rótula
Imperial College London/Divulgação
Por que alguns têm esse osso?
Michael Berthaume diz que ninguém sabe realmente o motivo pelo qual alguns têm esse osso, já que isso nunca foi pesquisado.
“A fabela pode se comportar como outros ossos sesamoides, ajudando a reduzir o atrito nos tendões e redirecionando as forças dos músculos ou, como no caso da rótula, aumentando a força mecânica do músculo”, disse. “Ou pode estar sem função alguma.”
Nós precisamos da fabela?
No passado, a fabela podia atuar como uma rótula para os ancestrais, aumentando a vantagem mecânica do músculo. Mas, com a evolução, parece ter desaparecido.
Agora que ela voltou, está causando problemas, segundo os especialistas. Pessoas com osteoartrite no joelho são duas vezes mais propensas a ter a fabela, mas não há evidência de que é o pequeno osso que causa o problema.
Além disso, a fabela pode atrapalhar quando é necessária uma cirurgia de substituição do joelho, além de causar dor e desconforto.
Por que, então, a fabela está voltando?
A teoria é de que isso está ligado à nutrição.
Pesquisadores acreditam que a volta da dor na fabela esteja lidado à nutrição
D-Keine. Istock
Os pesquisadores concluíram que uma nutrição melhor está tornando as pessoas, em média, mais altas e mais pesadas, o que significa que temos músculos mais longos – inclusive na panturrilha. Com essas mudanças, os joelhos ficam sob uma pressão maior.
Já que os ossos sesamoides, como a fabela, são conhecidos por crescerem em resposta aos movimentos e às forças exercidas sobre eles, isso poderia explicar o motivo pelo qual o osso hoje é mais comum do que alguns anos atrás.
Por que isso é importante?
A descoberta sobre o ressurgimento desse pequeno osso pode ajudar os médicos nos tratamentos de pacientes com problemas no joelho. Além disso, pode dar a esses profissionais uma visão sobre a evolução humana ao longo do século passado.
Primeiro, contudo, eles querem descobrir a idade, o gênero e a localização das pessoas que têm maior chance de ter a fabela, e se ela ocorre com mais frequência em um ou nos dois joelhos.