A rede de academias onde homens não entram nem como funcionários


A maior rede de academias da Turquia é apenas para mulheres; mas separar os sexos pode perpetuar as divisões? A maior rede de academias da Turquia é restrita para mulheres
BBC
Bedriye Hulya montou a maior rede de academias exclusivamente para mulheres da Turquia. Suas donas são mulheres e só possuem funcionárias do sexo feminino. Da mesma maneira que mantém mulheres em forma, ela também cria empregos. Mas separar os sexos ajuda as mulheres ou perpetua as divisões? Neyran Elden, da BBC Turquia, relata.
“Vá para a academia, entre em forma… viva feliz”, diz o cartaz do lado de fora da academia de ginástica em Umraniye, um bairro conservador em Istambul.
Um aviso menor, escrito à mão na porta, diz: “Nenhum homem é permitido no local”.
Este é uma das 220 b-fit centers da Turquia – a maior rede de academias do país, com cerca de 650 mil membros. Muitas das mulheres que participam nunca fizeram nenhum exercício antes e, com o passar dos anos, os clientes da rede perderam um total combinado de cerca de 600 mil kg.
Bedriye Hulya montou a empresa em 2006 depois de visitar uma academia só para mulheres nos Estados Unidos. Ela gostou tanto que pensou: “Ah! Talvez precisemos de algo assim na Turquia”.
No começo, as pessoas disseram que a ideia não funcionaria.
“Eles disseram: ‘Não é possível – as mulheres não se exercitam na Turquia'”, conta ela. “Mas eu não olho para as coisas a partir dessa perspectiva, eu olho do ponto de vista da oportunidade.”
Hulya descobriu que as instalações esportivas na Turquia consistiam principalmente em clubes de bilhar, clubes de futebol e academias de musculação – todas para homens. Ela falou com centenas de mulheres e descobriu que havia três coisas principais que as impediam de se exercitar: falta de tempo, falta de dinheiro e falta de lugares para ir.
Bedriye Hulya montou a empresa em 2006 depois de visitar uma academia só para mulheres nos EUA
BBC
Então, ela criou um modelo que poderia acabar com todos esses obstáculos. Ela tornou as academias muito baratas, projetou uma rápida rotina de exercícios – de apenas 30 minutos – e começou a abrir uma em cada bairro.
A rede é administrada como uma franquia – as academias são formadas por funcionários e proprietárias exclusivamente mulheres, o que é significativo em um país onde apenas 34% das mulheres trabalham, e menos ainda possuem seu próprio negócio. Apenas 9% dos empresários da Turquia são do sexo feminino.
“Muitas mulheres na Turquia estão isoladas, não saem”, diz o professor Nilufer Narli, sociólogo da Universidade Bahcesehir, que fez pesquisas sobre mulheres e esporte.
“Eles passam longas horas apenas assistindo à TV, mas precisam de atividades. Fazer esportes é importante para a saúde, e é importante para a expressão individual e também para conhecer outras pessoas.
“Hoje, na Turquia, muitas mulheres ainda enfrentam restrições religiosas tradicionais”, diz ela. “Seu pai, irmão, marido, noivo, pode dizer-lhes que é melhor para elas não ir a lugares esportivos e muitas mulheres não têm recursos suficientes para participar de atividades recreativas ou sociais.”
A obesidade é um problema crescente na Turquia também, e as mulheres são duas vezes mais propensas a ter excesso de peso em comparação aos homens. De acordo com pesquisa do Ministério da Saúde em 2018, 20,5% dos homens e 41% das mulheres no país são obesos. Com base nos números da (Organização Mundial da Saúde) OMS, as mulheres turcas têm o maior nível de obesidade na Europa.
De acordo com pesquisa do Ministério da Saúde da Turquia em 2018, 20,5% dos homens e 41% das mulheres no país são obesos
BBC
Mulheres com renda mais alta e mais jovens são mais propensas a praticar esportes. E, embora algumas gostem de ir a academias mistas, outras não se sentem à vontade para se exercitar ao lado de homens.
Hulya queria alcançar o maior número possível de mulheres. Foi por isso que sentiu que não tinha escolha a não ser criar ginásios apenas para mulheres.
“Não seria fácil ter as mulheres nas academias, se fossem mistas”, diz Hulya. “A figura masculina em suas vidas – poderia ser o marido delas, poderia ser o filho delas, o pai – não os deixaria ir lá. E nós as queríamos na academia.”
Seyyide Koc começou como uma aluna e agora possui três das unidades. “Eu sempre fui interessada em esportes e saúde, mas eu não podia me exercitar porque eu nunca encontrei uma academia onde me sentisse confortável. Além disso, a Turquia tem alguns problemas: maridos podem ser ciumentos e proibir que suas esposas de frequentar alguns lugares. Meu marido é assim “, diz ela.
Seyyide Koc começou como uma aluna e agora possui três das unidades da franquia de academias
BBC
“As mulheres podem se vestir da maneira que gostam aqui”, diz Koc. “Para pessoas como eu, conservadoras, isso é muito importante. Há outras que frequentam academias mistas, mas não querem ser vistas pelos homens. Algumas não se sentem à vontade mostrando seu corpo, então elas vêm aqui.”
Do lado de dentro, a configuração é muito diferente da maioria das academias – não há simuladores de remo, nem esteiras, nem televisão. Na verdade, nada que funcione com eletricidade. Isso ajuda a manter os custos baixos.
Em vez disso, máquinas hidráulicas, para trabalhar diferentes músculos, estão dispostas em círculo. No centro, uma instrutora orienta as mulheres sobre sua rotina. Algumas mulheres até levam seus filhos – há brinquedos e livros em um canto para mantê-los ocupados.
A frequência pode ser um problema para as mulheres, diz Koc, que fica de olho em suas alunas.
“Se não vemos alguém por três dias seguidos, telefonamos para elas e perguntamos: ‘Onde você está? Por que você não vem?'”
“Eu costumava receber essas ligações também e gostava disso, eu pensava, ‘Ah, elas estão pensando em mim'”.
Mas nem todo mundo é a favor de academias femininas.
Gulsum Kav é uma médica e ativista dos direitos das mulheres. Ela acha que ginásios segregados podem realmente sair pela culatra.
“Isso tira as mulheres da sociedade”, diz. “Como mulheres, protestamos contra outros exemplos desse tipo de separação, como shopping centers exclusivos para mulheres ou transporte público rosa para mulheres.
Gulsum Kav acha que manter academias exclusivas para mulheres pode causar uma segregação
BBC
“As mulheres devem ser capazes de se exercitar no mesmo lugar que os homens sem se sentirem desconfortáveis ​​ou assediadas. Quando fazemos isso separando-as dos homens, não consertamos o comportamento dos homens, podemos estar alimentando o desejo de assediar e é por isso que eu acho perigoso “.
E quando eu perguntei a mesma coisa para algumas pessoas em um parque um domingo, algumas concordaram com ela. “Por que deveria ser só para mulheres? Eles não vão comer você!” riu uma mulher. “Somos todos humanos. Deve ser misturado”.
Mas Bedriye Hulya acredita que ela está empoderando mulheres através do exercício. “Quando uma mulher começa a fazer algo puramente por si mesma, puramente por sua saúde, por seu próprio corpo, ela começa a falar outra língua – ela começa a ver as coisas de uma perspectiva diferente. Ela nunca mais será a mesma mulher”, diz ela.
Bedriye Hulya acredita que ela está empoderando mulheres por meio dos exercícios
BBC
Este sentimento é ecoado por Bengu Tanyel, que tem 39 anos e é aluna há três anos. “Estou muito feliz e a felicidade de uma mulher é a felicidade da família”, diz ela. “Às vezes eu vou para casa dançando e minha filha diz: ‘Mamãe, as outras mães voltam para casa e elas não sorriem, mas você vem aqui e dança comigo!'”
Ao longo dos anos, Hulya testemunhou o impacto positivo que o exercício pode ter na saúde mental. “Nós vemos muitas pessoas se juntando à b-fit. Elas começam muito deprimidas e em algumas semanas, nós as vemos fora da depressão”, diz Hulya. Ela agora está escrevendo uma tese de doutorado sobre o assunto e certifica-se de aplicar essas lições para si mesma.
“Eu coloco exercícios na minha vida todos os dias, como lavar as mãos”, diz ela. “Se você quer ter uma boa vida, você tem que mudar.”