À espera do 2º filho, Maria Cecília e Rodolfo planejam levar família na estrada e resgatam essência sertaneja em single: ‘Não é só vender’


Dupla se apresenta neste sábado em Americana e falou com exclusividade ao g1 sobre o novo momento da família, retorno dos shows e a preocupação de se diferenciar do modelo criativo atual do gênero. Maria Cecília e Rodolfo cantam novo single ‘Se existo é por você”
Maria Cecília e Rodolfo reúnem particularidades no mercado da música. Único casal entre as duplas do sertanejo, os dois artistas compartilham uma parceria que estourou no final dos anos 2000 e os colocou como parte dos responsáveis pelo movimento dentro do gênero que à época ganhou o nome de “Universitário”. Agora, à espera do 2º filho, retornam aos shows após a paralisação pela Covid-19 e descartam qualquer possibilidade de pausa longa na carreira por conta do momento pessoal. Pelo contrário, a ideia é seguir na estrada “com a família inteira”.
Antes de se apresentar em Americana (SP) neste sábado (13), a dupla, dona de hits como “Coisas Esotéricas” e “Você de Volta”, falou com exclusividade ao g1 sobre a nova fase como casal, com a gestação de Martín, que está no sexto mês, os desafios de dividir a carreira com a missão de criar dois filhos, e o novo trabalho, o single “Se eu existo é por você”, uma guarânia que resgata a essência sertaneja pouco vista nos lançamentos de artistas atuais do gênero.
“Em tempos de bachata, a gente lança uma guarânia. A gente tenta fazer sempre o que é a nossa essência, o que a gente gosta de cantar, a nossa verdade, se for sincero, não tem como dar errado. Se a música não está entre as 5 mais tocadas, tudo bem, tem outras coisas que importam, como fazer o que a gente acredita na música”, afirmou Rodolfo.
Maria Cecília e Rodolfo
Globo/Divulgação
A bachata é um ritmo derivado do bolero identificado por bongôs de percussão bem marcados. O estilo tomou conta das canções de vários artistas do segmento nos últimos anos, passando a ter grande destaque com Gusttavo Lima Já a guarânia é de origem paraguaia e marcou toda uma geração sertaneja dos anos 80 e 90. A ideia da canção, composta por Maria Cecília, Rodolfo e Fred Liel (da dupla com Fabrício Fiori), em um estilo mais “retrô”, evidencia a tentativa da dupla de tentar se diferenciar do que vem sendo gravado recentemente. Assista acima a gravação exclusiva para o g1.
“O Gusttavo é uma grande referência e gravar bachata dá muito certo com ele, mas não quer dizer que vai dar certo com todo mundo, não adianta todo mundo gravar. Acho que os artistas novos esqueceram um pouco do que era a essência do sertanejo lá atrás. A gente quis mesmo fazer o que a gente gosta musicalmente. Essa ideia da composição com metáforas, mais lúdica, nos dá prazer. Claro que é um mercado. Eu também preciso vender, mas não é só vender”, explicou Maria Cecília.
Família na estrada
Em um ano e meio de paralisação de atividades na área do entretenimento por conta da pandemia, Maria Cecília e Rodolfo se dedicaram inteiramente ao filho e colocaram em prática o plano antigo de engravidar novamente, pensando que o mercado de shows só voltaria em 2022. Com o retorno ainda este ano, a maior dificuldade foi lidar com a reação de Pedro, de 4 anos, acostumado com os pais durante 1 ano e 10 meses em casa.
“Antes da pandemia ele ainda não entendia. Agora, ele já entende tudo. Então ele fica falando ‘Fica, mamãe’, ‘Não vai, Papai’. Isso é bem doloroso, corta o coração realmente. Mas precisamos voltar, estão todos eufóricos com o retorno por onde a gente vai, e a gente também, parece o começo”, disse a cantora.
A dificuldade de lidar com a distância, principalmente agora que ela será dobrada com a chegada de Martín, entretanto, é tratada com muita leveza entre os cantores. A ideia da dupla é que os quatro sigam juntos na estrada, sempre que der, principalmente quando o segundo filho já estiver mais velho.
“Já estamos providenciando um ônibus bem grande com toda a estrutura justamente para isso. Vai todo mundo junto. A gente não divide nada, a gente soma. O ensino remoto proporcionou isso pra gente também. Mostrou que é possível estudar de outros lugares. Vamos levar eles sim, já fazemos isso com o Pedro, sempre que dá, e ele adora, inclusive já está mergulhado na música e disse que vai tocar bateria”, relembrou a artista.
Casal Maria Cecília e Rodolfo está à espera do 2º filho
Maurício Vieira
EPs durante licença
O garoto vai acompanhar os pais, inclusive, em uma turnê da dupla nos Estados Unidos em dezembro, durante o Natal e o Ano Novo. “Ele está muito animado para ir. Nós também. Vamos voltar a fazer shows lá depois de dez anos. É show para brasileiro, né? Vai ser muito legal”, contou Rodolfo. A motivação dos dois é tanta que o período de pausa na carreira para o nascimento de Martín será de apenas quatro meses e, durante o período, serão lançados uma série de EPs.
“A gente vai parar de janeiro a maio. Um mês antes de nascer e dois meses depois de nascer. Neste período, vamos socar música no povo. Vamos lançar um EP com seis músicas inéditas e depois outros EPs com releituras de músicas de outros artistas. Não temos o repertório ainda, mas podemos dizer que serão homenagens”, revelou o cantor.
O processo de produzir EPs com poucas músicas ou lançar uma canção por vez – uma prática que se tornou quase regra atualmente – é uma das diferenças que Maria Cecília e Rodolfo identificam do mercado mais recente em comparação com o começo da carreira deles e, por isso, tentam se adequar ao novo padrão.
“A gente lançava antigamente DVD com 27, 28 músicas. Isso não existe mais. Hoje em dia tudo se consome muito rápido por conta das rede sociais e plataformas digitais. Você lança uma música hoje, daqui um mês tem que lançar outra. Antes ficávamos um ano trabalhando um projeto. Tivemos que nos adequar. Acho que por isso também está tudo muito igual, porque as pessoas têm que produzir intensamente, aí padroniza tudo”, pontuou.
Comoção por Marília
O luto e a comoção que tomou conta do Brasil por conta da morte de Marília Mendonça, vítima de um acidente aéreo em Piedade de Caratinga (MG) no dia 5 de novembro com outras quatro pessoas, também atingiu os cantores. Para Rodolfo, o impacto da notícia chegou por um grupo no WhatsApp com outros artistas sertanejos. O cantor contou que a dupla não era amiga da “rainha da sofrência”, mas tinham uma admiração mútua entre as carreiras.
“A gente se encontrou uma vez, fizemos um show juntos, ela disse que era admiradora nossa, que tinha ouvido muito nossas músicas, até pela Maria ter sido uma das primeiras vozes femininas deste sertanejo mais atual. Não éramos próximos, mas isso não importa, é um colega que se vai, uma mãe que não vai ver o filho crescer, um talento acima da média. Impactou muito a gente, até por pegarmos muito avião e já ter passado por alguns apuros, como um dos motores parar”, lembrou Rodolfo.
Apresentação em Americana
Com repertório que faz uma viagem ao longo da carreira, os artistas se apresentam no Bull Club, em Americana, neste sábado, a partir das 21h. Os ingressos estão a venda pela internet, com valores que variam entre R$ 30 e R$ 60.
Serviço:
O que: Maria Cecilia e Rodolfo em Americana
Quando: Neste sábado (13), a partir das 21h.
Onde: Bull Club, Rua Gonçalves Dias, 1395 – Jardim Girassol, Americana (SP)
Ingressos: Pela internet
Maria Cecília com Rodolfo ao fundo: pioneira na nova leva de duplas com homens e mulheres

VÍDEOS: saiba tudo sobre Campinas e Região
Veja mais notícias da região no g1 Campinas