Gêmeas unidas pelo crânio são separadas depois de 50 horas de cirurgia


As irmãs paquistanesas de dois anos passaram por um longo procedimento cirúrgico em hospital da Inglaterra. Irmãs siamesas Safa e Marwa Ullah
Divulgação/Great Ormon Street Hospital
As irmãs paquistanesas Safa e Marwa Ullah nasceram unidas pelo crânio. Após quatro meses internadas e mais de 50 horas de cirurgia foram separadas com sucesso, anunciou nesta terça-feira (16) o hospital londrino responsável pela intervenção.
As gêmeas receberam alta em 11 de fevereiro deste ano, mas foi só agora que o hospital público Great Ormon Street divulgou em nota as informações sobre o caso.
Gêmeos conjugados, mais comumente chamados de gêmeos siameses, são extremamente raros, afirmou o neurocirurgião Owase Jeelani
“A incidência é de um em um milhão, ou um em dois milhões de recém-nascidos”, disse o médico.
Jeelani considera os procedimentos como muito complexos, mas se diz otimista e acredito na recuperação: “antes dos três anos elas estarão andando”.
Irmãs siamesas Safa e Marwa Ullah
Divulgação/Great Ormon Street Hospital
As pequenas Safa e Marwa nasceram em Charsadda, no Paquistão, em janeiro de 2017 e foram levadas ao hospital inglês quando completaram 19 meses.
Em outubro de 2018 as crianças foram internadas e tiveram início os procedimentos que, entre outros, contou com réplicas feitas por impressoras 3D da malformação para que os especialistas pudessem praticar as cirurgias.
Após o cinco meses de recuperação com fisioterapia intensiva, as gêmeas deixaram o hospital no início de julho estão reunidas com a família.

Eclipse lunar é visto em Campos, no RJ


Fenômeno acontece quando Sol, Terra e Lua se alinham nessa ordem e, assim, o planeta faz uma “sombra” na imagem do satélite natural. Fenômeno foi registrado por volta das 19h em Campos, no RJ
Paulo Veiga/Inter TV
O eclipse lunar parcial desta terça-feira (16) pôde ser visto por moradores de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense.
O fenômeno acontece quando Sol, Terra e Lua se alinham nessa ordem e, assim, o planeta faz uma “sombra” na imagem do satélite natural.
A moradora de Campos, Beatriz Corrêa acompanhou o eclipse e ficou maravilhada com o momento.
Um espetáculo no universo. Lindo! O universo é nosso”, disse a moradora.
O cinegrafista da Inter TV, Paulo Veiga, fez um registro do eclipse por volta das 19h. O fenômeno pôde ser visto em vários lugares do mundo.
Da sede da Inter TV em Campos, a videorrepórter Alice de Sousa também assistiu ao espetáculo.
“O céu estava lindo e foi um fenômeno marcante”, contou.
A fase da umbra, quando a sombra da Terra começa a ser observada na Lua, começou às 17h01 (horário de Brasília) e durou até por volta das 20h.
Segundo os especialistas, diferentemente de um eclipse solar – quando o que fica “escondido” é o Sol –, para observar o fenômeno lunar não é preciso óculos de proteção.
A visão da Lua é a olho nu, mas é mais fácil assistir ao fenômeno em áreas menos iluminadas e com o horizonte livre.
Veja outras notícias da região no G1 Norte Fluminense.