Editoras condenam fala racista de David Starkey e afirmam que não publicarão mais livro do historiador

Em recente entrevista, historiador declarou que ‘a escravidão não foi genocídio, caso contrário não haveria tantos negros na África ou na Grã-Bretanha’. A HarperCollins, responsável por publicar obras de David Starkey, condenou as recentes falas racistas do historiador e anunciou que não vai publicar mais seus livros.
Na terça-feira (30), em entrevista para Darren Grimes, Starkey afirmou que “a escravidão não foi genocídio, caso contrário não haveria tantos negros na África ou na Grã-Bretanha. Você sabe, muitos deles sobreviveram”. Starkey ainda caracterizou os protestos da Black Lives Matter, após a morte de George Floyd, como “violência” e “vitimização”.
Em comunicado, a HarperCollins afirmou que as declarações de Starkey eram “abomináveis”.
“As opiniões expressas por David Starkey em sua recente entrevista são abomináveis e nós as condenamos sem reservas. Nosso último livro com o autor foi em 2010 e não publicaremos mais livros com ele”, afirmou a editora. Starkey assinou em 2006 um contrato com a editora para o lançamento de quatro livros. Havia previsão de lançamento para da segunda parte de sua biografia em setembro.
Initial plugin text
Um representante da Hodder & Stoughton, que publicou em 2015 o livro de Starkey “Magna Carta: The Medieval Roots of Modern Politics”, também declarou ao The Guardian que não publicaria mais as obras do historiador.
“Condenamos sem reserva o racismo de qualquer forma. Publicamos um livro de David Starkey em 2015 como um projeto que marcara o 800º aniversário da Magna Carta, coincidindo com um documentário de TV. Não publicaremos mais qualquer outro de seus livros.”

Please enter banners and links.

Honda Civic Si 2020 tem cara nova e ronco ‘fake’ por R$ 179.900


O esportivo também passou a ter as relações de marchas mais curtas e a oferta de cores foi reduzida. Honda Civic Si ganha alterações no para-choque, com faixa na cor do veículo
Divulgação/Honda
O Honda Civic Si chegou à linha 2020 com novidades visuais, tecnológicas e mecânicas. Disponível em configuração única, o esportivo parte de R$ 179.900.
Apesar de poucas e discretas, as principais mudanças na aparência do Civic Si estão na dianteira. Os nichos do para-choque, onde ficam os faróis de neblina, agora têm acabamento liso (antes tinha uma falsa grade em formato de colmeia) e uma barra que acompanha a cor da carroceria do veículo.
Por falar em cor, o cupê teve sua paleta reduzida e passa a ser oferecido apenas nas cores branco, preto e vermelho.
Traseira do cupê não tem novidades
Divulgação/Honda
Os faróis de neblina agora são de LEDs, como os principais, e as rodas de 18 polegadas têm novo desenho com acabamento em preto fosco. A traseira não tem mudanças.
Por dentro, o Civic Si segue com o quadro de instrumentos digital com grafismos em vermelho, pedais em alumínio e acabamento que imita fibra de carbono. A linha 2020 adiciona novos detalhes em vermelho acima das saídas de ar e faixas na mesma cor nos bancos.
Interior do Si tem novos detalhes em vermelho no painel e nos bancos
Divulgação/Honda
Ronco ‘fake’
Para quem reclamava que o esportivo não tinha um ronco encorpado, ele passa a ter o Active Sound Control, que utiliza o sistema de áudio do veículo para amplificar o som do motor durante uma tocada mais agressiva.
De fora, porém, os barulhos que saem do motor e do escapamento continuam os mesmos. A amplificação é uma experiência apenas para quem está dentro do carro.
Novas rodas de 18 polegadas têm acabamento em preto fosco
Divulgação/Honda
Entre os demais itens de série há central multimídia com Apple CarPlay e Android Auto, som com 450 watts e 10 alto-falantes, câmera de ré, câmera no retrovisor direito (acionada com a seta para o mesmo lado), assistente de partida em rampas, controles de tração e estabilidade e 6 airbags.
Relação mais curta
O Si continua equipado com motor 1.5 turbo de 208 cavalos de potência e 26,5 kgfm de torque, assim como o câmbio manual de 6 marchas. De acordo com a Honda, a linha 2020 recebe uma relação de marchas 6% mais curta, aprimorando a dirigibilidade esportiva do modelo.
A marca não divulga números de desempenho de seus carros, mas reforça que o cupê tem comportamento dinâmico em pilotagem esportiva graças aos conjuntos de chassis, direção e suspensão.
Bancos esportivos do Civic Si têm visual renovado com faixas vermelhas
Divulgação/Honda

Please enter banners and links.