Justiça Federal de SP manda suspender assembleia da Embraer sobre fusão com Boeing


Decisão atendeu ao pedido de sindicatos de trabalhadores; assembleia está prevista para o dia 26. A Justiça Federal de São Paulo concedeu liminar nesta sexta-feira (22) suspendendo a realização de uma assembleia da Embraer para votar um plano para formação de uma joint venture com a Boeing que vai gerenciar os negócios de aviação comercial da companhia brasileira, sob controle da fabricante norte-americana.
Praetor da Embraer
Carlos Santos/G1
Na decisão, o juiz Victorio Giuzio Neto afirma: “Defiro a liminar para suspender a realização da assembleia-geral extraordinária de acionistas da Embraer prevista para a dia 26 de fevereiro de 2019 até que as irregularidades legais apontadas sejam esclarecidas.”
Embraer assina acordo para venda de divisão comercial para Boeing
A decisão atendeu ao pedido conjunto de sindicatos de trabalhadores, incluindo o dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, de Araraquara e Américo Brasiliense, de Botucatu e Região e a Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos.
Procurada, a Embraer não se manifestou de imediato.
Parceria entre Boeing e Embraer prevê a criação de joint ventures de aviação comercial e defesa.
Claudia Ferreira / G1

Negociações comerciais entre EUA e China são estendidas até domingo


Donald Trump disse haver grandes chances de alcançar um acordo comercial. As negociações entre Estados Unidos e China serão estendidas até domingo (24) em Washington, disse o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, enquanto o presidente Donald Trump disse haver grandes chances de alcançar um acordo comercial.
Bandeiras da China e dos Estados Unidos em imagem de arquivo
Jason Lee/Reuters
Trump também afirmou nesta sexta-feira (22) que espera ter uma reunião sobre comércio com seu equivalente chinês, Xi Jinping, em breve, “provavelmente” em março. O encontro poderia ocorrer em Mar-a-Lago, sua residência na Flórida.
Entenda a guerra comercial e seus possíveis impactos
Diante da imprensa no Salão Oval, Trump declarou que “estamos tendo conversas muito boas” com a China e anunciou ter alcançado um acordo “sobre a moeda”, sem dar mais detalhes.
O mandatário também admitiu considerar a possibilidade de ampliar o prazo da trégua comercial com a China para além de 1 de março, data-limite estabelecida por Washington para aumentar as tarifas aduaneiras de 10% a 25% sobre US$ 200 bilhões em importações chinesas.
Os americanos pedem a redução do déficit comercial com a China, mas também mudanças “estruturais”, como interromper a transferência imposta de tecnologias, o respeito aos direitos de propriedade intelectual, o fim da pirataria cibernética e o levantamento de barreiras tarifárias.