‘Como um drink me deixou cega’

Hannah Powell perdeu a visão e os rins depois de tomar uma bebida misturada a uma substância perigosa

Hannah Powell perdeu a visão e os rins depois de tomar uma bebida misturada a uma substância perigosa
BBC NEWS BRASIL

Hannah Powell estava se sentindo exausta e não parava de vomitar após uma noite de balada com amigos em Zakynthos, na Grécia, em agosto de 2016.

Mas não eram apenas sinais de uma ressaca. A jovem de 23 anos tinha bebido vodca misturada com metanol, também conhecido como álcool metílico. Ela diz que não sabia que a substância perigosa havia sido misturada à bebida.

Os rins de Hannah entraram em colapso e ela ficou cega. Só percebeu que havia algo errado quando acordou no seu quarto de hotel achando que as luzes estavam apagadas.

“Eu sugeri que abríssemos a cortina e meus amigos disseram que elas já estavam abertas, mas eu não percebi na hora o que estava acontecendo”, disse a jovem à BBC.

 

Hannah conta que ela e as amigas estão animadas com as férias na Grécia. Nunca imaginavam que estavam tomando vodca com uma substância perigosa

Hannah conta que ela e as amigas estão animadas com as férias na Grécia. Nunca imaginavam que estavam tomando vodca com uma substância perigosa
BBC NEWS BRASIL/Hannah Powell

“Eu pensei que eles estivessem brincando, então levantei para acender as luzes. Foi aí que eu comecei a entrar em pânico, porque foi quando percebi que as luzes estavam acesas e que eu não conseguia enxergar nada.”

Hannah, da cidade britânica de Middlesbrough, foi levada ao hospital da ilha de Zakynthos antes de ser transferida para uma ilha maior da Grécia.

Ela estava tão confusa e delirante que pensou estar sendo sequestrada.

“Eu não entendia porque não conseguia enxergar. Eu pensei que fosse alguma coisa (tampando) meu olho ou na minha cabeça. Lembrava remotamente de falar com meu pai ao telefone”, conta.

 

Hannah precisou ser transferida para um hospital mais equipado, numa ilha maior da Grécia, por causa da complexidade e gravidade da situação

Hannah precisou ser transferida para um hospital mais equipado, numa ilha maior da Grécia, por causa da complexidade e gravidade da situação


BBC NEWS BRASIL/Hannah Powell

“Eu me lembro de esconder meu telefone nas axilas, pensando que fossem tirá-lo de mim.”

Exames feitos no hospital confirmaram que Hannah havia ingerido metanol. Haviam servido a ela, num bar, vodca falsificada, misturada à substância tóxica.

Os amigos, que tinham bebido a mesma coisa, chegaram a passar mal e sentir dores no estômago, mas os sintomas passaram.

“Aparentemente, gangues fazem as vodcas clandestinamente e vendem aos bares por preços mais baratos. E os bares abastecem seu estoque com essas bebidas”, explica Hannah.

“Então, se você é um consumidor, acha que está comprando vodca Smirnoff, mas não é. Eles colocam os líquidos em garrafas verdadeiras de Smirnoff.”

 

Hannah passou três semanas num hospital da Grécia antes de retornar ao Reino Unido

Hannah passou três semanas num hospital da Grécia antes de retornar ao Reino Unido


BBC NEWS BRASIL/Hannah Powell

Hannah voltou para casa semanas depois e teve que se ajustar à nova vida, sem visão. Os rins também pararam de funcionar e ela teve que passar 18 meses fazendo hemodiálise, até receber um órgão doado pela mãe.

Hannah conta que, no início, via tudo “completamente preto”. Depois de um tempo, passou a enxergar tudo “muito embaçado”. A jovem diz que se esforça para fazer as coisas sozinha e que espera receber um cão-guia para ganhar maior independência.

“Eu costumava acordar tendo esquecido que tinha perdido a visão. Ia me arrumar e percebia que não conseguia achar minha maquiagem, meu alisador de cabelos. Eu abria uma paleta de sombras de olho e o conteúdo parecia todo preto, sendo que estava cheio de sombras de cores diferentes”, diz.

Até ações trivais – como fazer uma xícara de chá – ganharam novos contornos, e ela diz constantemente tropeçar em degraus e ter dificuldades em encontrar coisas.

 

Hannah diz que seus amigos e familiares a ajudaram muito nos últimos três anos

Hannah diz que seus amigos e familiares a ajudaram muito nos últimos três anos
BBC NEWS BRASIL/Hannah Powell

Passaram-se três anos desde as férias na ilha grega que mudaram a vida de Hannah. Até agora, ninguém foi responsabilizado pelo que ocorreu.

A jovem diz que álcool falsificado possivelmente ainda é amplamente vendido em locais turísticos, como Zakynthos.

“Eu já não esperava que fossem punidos, mas acho que alguém deveria. Ou o bar sabia que tinha álcool manipulado ou alguém fez essa mistura. De qualquer forma, eu não tive nada a ver com isso. Eu nunca teria bebido se soubesse.”

Hannah afirma que está determinada a viver uma vida normal desde que perdeu a visão. Ela vai à academia e ao cinema. Faz compras e celebra o aniversário dos amigos como fazia antes.

A ONG RNIB, dedicada a pessoas com deficiência visual, ajudou Hannah a voltar a trabalhar. Ela utiliza um equipamento especial para atuar com recepcionista de uma clínica médica.

 

A mãe de Hannah, Christine, doou um de seus rins à filha

A mãe de Hannah, Christine, doou um de seus rins à filha
BBC NEWS BRASIL/Hannah Powell

“Minha irmã foi maravilhosa. Ela me ajudou a voltar a usar minha maquiagem. E tivemos que ordenar as minhas roupas por cores, porque eu não conseguia identificar de que cor eram”, conta.

“Eu continuo saindo com meus amigos, principalmente para tomar chá ou ir ao cinema. Gostava de ir ao cinema para ficar sentada lá, parada, e observar se conseguia enxergar um pouco mais. E mesmo se não conseguisse, dava para entender o filme ouvindo e era bom simplesmente sair de casa.”

Hannah diz que sempre escolhe algo para focar e a ajudar a manter a postura positiva. Neste ano, está planejando se mudar para uma casa nova.

 

HannahUm dos lazeres de Hannah é levar seu cachorro, Jess, para passear

HannahUm dos lazeres de Hannah é levar seu cachorro, Jess, para passear
BBC NEWS BRASIL

Ela também quer retornar a Zakynthos um dia, porque não consegue se lembrar bem do tempo que passou lá. Espera recobrar essa memória ao voltar à ilha grega.

“A última coisa que eu quero é ter medo de fazer tudo. Minha mãe se preocupa quando digo que vou para a academia. Até hoje ela pergunta: ‘Como você vai chegar lá? Você consegue enxergar os carros?”

“Eu não consigo ver todos os carros, mas a alternativa seria ficar em casa. Eu sou jovem e não quero me acostumar a ficar em casa por medo de sair. Eu ainda tropeço e hesito. Mas isso não me incomoda mais.”

 

Sarampo é confirmado em navio e 9 mil pessoas se vacinarão em Santos

Anvisa enviou 110 profissionais para vacinarem passageiros do navio

Anvisa enviou 110 profissionais para vacinarem passageiros do navio
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Cerca de nove mil passageiros e tripulantes do navio MSC Seaview recebem imunização hoje (20) contra o sarampo, no Porto de Santos (SP), após tripulantes terem contraído a doença. Exames realizados pelo Instituto Adolfo Lutz confirmaram que seis funcionários do transatlântico foram infectados.

A prefeitura de Santos e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) enviam hoje 110 profissionais para aplicar as vacinas, não apenas nos passageiros que desembarcam, que somam 4,5 mil pessoas, mas também entre aqueles que ingressam na embarcação: 4,5 mil pessoas.

Leia também: Por que é importante se vacinar mesmo na idade adulta

O navio atracou em Santos no último sábado (15) com 13 suspeitas de rubéola entre os tripulantes. Após vistoria da Anvisa, o transatlântico seguiu para Santa Catarina com esses funcionários em local isolado dentro da embarcação.

O resultado dos exames feitos pelo Instituto Adolfo Lutz, entretanto, descartou a infecção por rubéola. Na chegada à cidade catarinense, 1,3 mil tripulantes foram imunizados.

Saiba mais: Vacinação: os 8 mitos que estão levando ao ressurgimento de doenças evitáveis

Segundo a MSC, os hóspedes foram alertados sobre os sintomas da doença e um centro médico no navio ficou à disposição gratuitamente. Os tripulantes ficaram isolados em suas cabines e receberam todo o atendimento médico necessário, informou a companhia.

De acordo com o Ministério da Saúde, o sarampo é uma doença grave, transmitida por vírus, e extremamente contagiosa. A transmissão ocorre pela fala, tosse e espirro.

Veja também: Surto de sarampo preocupa autoridades nos Estados Unidos

As complicações infecciosas provocadas pela doença são especialmente perigosas em crianças desnutridas e menores de um ano de idade. Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo.

A vacina, disponibilizada na rede pública de saúde, deve ser aplicada em uma dose aos 12 meses de idade e outra aos 15 meses. Pessoas de cinco a 29 anos recebem duas doses da vacina. Quem tem mais de 30 anos receberá uma dose.

Bolinhas no corpo? Saiba diferenciar sarampo de catapora: