Cura do câncer: tubarões-brancos podem ajudar cientistas a pesquisar soluções


Nova pesquisa mapeou DNA de tubarões e especialistas acham que estabilidade de genoma do animal será chave na descoberta de curas para doenças ligadas ao envelhecimento. Tubarões-brancos podem ser o segredo para a cura do câncer e outras doenças relacionadas ao envelhecimento, acreditam especialistas
Pixabay
Tubarões-brancos podem ser o segredo para a cura do câncer e outras doenças relacionadas ao envelhecimento, acreditam especialistas.
O primeiro mapa do DNA de tubarões revelou mutações que protegem esses animais de câncer e outras enfermidades.
Cientistas esperam que, com mais pesquisa, seja possível aplicar as descobertas ao tratamento de doenças ligadas ao envelhecimento humano.
A habilidade do tubarão-branco de reconstruir seu próprio DNA evoluiu, enquanto a nossa, não.
A pesquisa foi feita por uma equipe de cientistas da Save Our Seas Foundation Shark Research Centre, da Nova Southeastern University, na Flórida.
O que há nos genes dos tubarões?
Genes instáveis nos seres humanos são o que nos torna vulneráveis a doenças ligadas ao envelhecimento, como câncer.
Por estarem presentes há milhões de anos e serem criaturas dominantes, seu DNA evoluiu a ponto de ser capaz de se reconstruir e tolerar danos.
“A instabilidade genômica é uma questão muito importante em várias doenças humanas”, diz um dos líderes da pesquisa, Dr Mahmood Shivji.
“Agora descobrimos que a natureza desenvolveu métodos para manter a estabilidade do genoma nessas criaturas enormes e tão antigas.”
“Ainda há muito a se aprender com essas maravilhas evolucionárias, inclusive informações que podem ser úteis para combater câncer e outras doenças ligadas ao envelhecimento e para melhorar tratamentos de cura de ferimentos, à medida que formos descobrindo como esses animais conseguem isso.”
O tubarão-branco está patrulhando os mares há pelo menos 16 milhões de anos e pode chegar a ter seis metros de comprimento e pesar até três toneladas.
O DNA de tubarões é uma vez e meia mais longo que o de seres humanos, o que significa que há coisas que esses animais conseguem fazer que humanos não conseguem.
Cientistas esperam desvendar esses segredos e usá-los para tratar problemas que o DNA já está resolvendo nos tubarões.
Eles acham que os tubarões podem ajudar no desenvolvimento de tratamento de cura de feridas e estancamento de sangue, devido à habilidade que têm de se recuperar rapidamente de ferimentos graves.
Tubarões: mais do que só dentões
Essa pesquisa pode ser um passo para mudar a imagem de um dos animais mais temidos do mundo.
A fotógrafa Kimberly Jeffries disse recentemente à Radio 1 Newsbeat, da BBC, que não sentiu “medo algum” quando nadou com um dos maiores tubarões-brancos do mundo, chamando Deep Blue.
“É uma lição de humildade”, disse ela.
Ainda assim, não recomenda que ninguém pule na água com um. “São predadores, então é preciso respeitá-los”, disse Kimberly.
Ao caçar peixes e outros bichos no oceano, também ajudam o avanço dessas espécies, já que seu alvo são os indivíduos mais lentos e fracos.
Pesquisas mostram que tubarões são importantes na luta contra o aquecimento global, já que caçam animais pequenos que produzem mais dióxido de carbono.

Algoritmo identifica 99% dos perfis falsos em aplicativos de namoro

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Warwick, no Reino Unido, criou um algoritmo que usa a inteligência artificial para detectar com precisão um perfil falso em aplicativos de namoro

*Estagiária do R7, sob supervisão de Pablo Marques

Os cientistas
desenvolveram um software para pensar como seres
humanos e assim buscar as contas que tentam simular o comportamento de uma pessoa real em aplicativos de relacionamento

Leia também: Site apavorante cria rostos de pessoas que nunca existiram

Um banco de perfis comprovadamente falsos foi utilizado para indicar ao programa quais são os sinais mais frequentes de uma fraude

Leia também: Encontrada tartaruga gigante considerada extinta há 100 anos

A partir da comparação de padrões, o algoritmo consegue apontar qual a probabilidade de um perfil não ser verdadeiro

Leia também: Tartaruga albina nasce com o coração batendo para fora do corpo

O estudo identificou pelo número de IP dos computadores e pelo número do celular que um mesmo usuário pode ter mais de um perfil fake em apps de relacionamento

Leia também: Hospital na Tailândia usa robôs para ajudar nos trabalhos

Além de informações falsas, as contas são criadas também utilizam material roubado da internet. Fotos de outros e até biografias completas são copiadas para tentar enganar os demais usuários
Leia também: Pesquisa culpa YouTube por espalhar teorias sobre Terra plana

O algoritmo conseguiu identificar um perfil falso com 99% de precisão, de acordo com os
pesquisadores. A Universidade de Warwick, no entanto, não revelou quantas contas foram
avaliadas

Leia também: Tesla anuncia modo cão para dar suporte aos bichos em seus carros

Os pesquisadores afirmam que a ferramenta será útil para proteger os usuários de aplicativos de namoro de caírem golpes

Leia também: Vazam imagens do suposto celular dobrável da Samsung